Soure

Aspetos Geográficos
O concelho de Soure, do distrito de Coimbra, localiza-se na Região Centro (NUT II), no Baixo Mondego (NUT III). É limitado a norte pelo concelho de Montemor-o-Velho, a oeste pela Figueira da Foz, a este por Condeixa e a sul por Pombal. O concelho dista 27 km de Coimbra para sudoeste. Situa-se a cerca de 10 metros de altitude, numa zona baixa de terrenos férteis onde confluem os rios de Anços, Arão e Arunca, subafluentes da margem esquerda do Mondego. Contudo, será de destacar na morfologia o monte do Rabaçal, com cerca de 532 metros de altitude e de Sicó com 551. Na costa leste da serra do Rabaçal, há uma enorme caverna, com mais de 100 metros, denominada de Cova da Moura.
O concelho de Soure ocupa uma superfície de 265,1 km2 e é subdividido em 12 freguesias: Alfarelos, Brunhós, Degracias, Figueiró do Campo, Gesteira, Granja do Ulmeiro, Pombalinho, Samuel, Soure, Tapéus, Vila Nova de Anços e Vinha da Rainha. Em 2005, o concelho apresentava 20 684 habitantes.
O natural ou habitante de Soure denomina-se sourense.

História e Monumentos
As ruínas do castelo testemunham séculos de luta contra os mouros, sendo a povoação inclusivamente arrasada e restaurada várias vezes entre os séculos X e XII. Em 1111, D. Teresa e o Conde D. Henrique concederam foral para o seu repovoamento. Em março de 1128, o castelo é doado aos Templários por D. Afonso Henriques. Pertenceu desde 1319 à Ordem de Cristo e D. Manuel I concedeu-lhe novo foral em 1513.
Do património arquitetónico fazem parte os Paços do Concelho de estilo manuelino e várias casas conservadas do século XVIII. Nos arredores existe a capela de S. Mateus onde se realiza uma feira franca, em setembro, que parece remontar aos séculos XIII e XIV. Em Vila Nova de Anços, que foi sede de concelho extinto em 1936, existe ainda um pelouro manuelino, o Paço dos Duques de Cadaval, a Igreja Matriz, em ruínas (séc. XV), a capela românica na quinta do Visconde S. Tomé e a imagem gótico-manuelina de Nossa Senhora da Finisterra.

Tradições, Lendas e Curiosidades
Das festas e romarias do concelho, é de destacar a festa anual em honra de S. Mateus, realizada no largo da Igreja, em setembro, onde se realiza também uma feira que remonta aos séculos XIII e XIV. Há também no concelho um Festival Anual de Gastronomia, com mostra de especialidades de cada freguesia, sendo de destacar os preceitos da freguesia serrana de Degracias, onde se produz o queijo caseiro do Rabaçal.
O feriado municipal é no dia 21 de setembro.

Economia
Soure é um concelho com tradição na criação de equídeos, tendo ainda a pecuária, a par da agricultura, um papel importante na economia do concelho. Os solos são muito férteis, principalmente para a produção de vinho, azeite, feijão, milho, batata e arroz.
Os principais empregadores no concelho são os órgãos da administração local, pelo que o setor predominante é o terciário, que ocupa grande parte da população ativa. Em termos comparativos com outros concelhos do distrito, a indústria não tem muita referência, sendo o ramo de maior importância o alimentar. Entre outras atividades, existe também algum comércio retalhista e a exploração de minas de gesso e pedreiras.
Como referenciar: Soure in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-04 09:51:11]. Disponível na Internet: