Svante Arrhenius

Físico e químico sueco, nasceu em 1859 e morreu em 1927, em Estocolmo.
Foi o autor da teoria da dissociação eletrolítica e o inventor do conceito de ionização. Inicialmente bastante combatida, a sua teoria, apresentada como tese de doutoramento, Recherches sur la conductibilité glavanique des eléctrolytes (1884), acabaria por ser aceite valendo-lhe o Prémio Nobel da Química em 1903.
Iniciou a sua vida académica na universidade de Uppsala, onde veio a lecionar, e mais tarde na Escola Superior de Estocolmo. Segundo a sua teoria iónica, as moléculas dos ácidos, bases e sais em solução aquosa dissociam-se em iões eletricamente carregados, podendo estes ter cargas elétricas de sinais contrários.
Considerado um dos fundadores de Química-Física, desenvolveu a equação físico-química que determina a dependência da velocidade da maioria das reações com a temperatura.
Em 1905 tornou-se diretor, e mais tarde presidente, do Instituto Nobel para a Física e Química.
Fez o seu trabalho de investigação em diversos campos. Interessou pela Astronomia e estudou a utilização de soro químico no combate a doenças. Estudou ainda as mudanças climáticas da Terra, ao longo do tempo geológico, cunhando a expressão efeito estufa, prevendo que a queima de combustíveis fósseis, como o petróleo, aumentaria a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera e levaria ao aumento das temperaturas em todo o globo terrestre.
As suas obras principais são: Werden den Welten, Theorien der Chimie (1906), Quantitive Laws in Biological Chemistry.
Como referenciar: Svante Arrhenius in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-05-26 21:23:16]. Disponível na Internet: