The Moody Blues

Os Moody Blues começaram a sua carreira em 1964, em Birmingham, na Inglaterra, como grupo fortemente enraizado no rhythm & blues. A sua formação inicial era composta por Denny Laine (n. Brian Hines, 1944-10-29, Jersey, Channel Islands), Mike Pinder (n. 1942-12-12, Birmingham, Inglaterra), Ray Thomas (n. 1941-12-29, Stourport on Severn, Inglaterra), Graeme Edge (n. 1941-03-30, Rochester, Inglaterra) e Clint Warwick (n. 1940-06-25, Birmingham, Inglaterra). Durante o período entre 1964 e 1967, editaram o álbum The Magnificent Moodies e obtiveram alguns êxitos, nomeadamente através de versões de temas de outros artistas tais como "Go Now" (de Bessie Banks), "'I'll Go Crazy" (de James Brown) e "Bye Bye Bird" (de Sonny Boy Williamson). Em 1966, Warwick e Laine deixaram o grupo, tendo entrado para os seus lugares Justin Hayward (n. 1946-10-14, Swindon, Inglaterra) e John Lodge (n. 1945-07-20, Birmigham, Inglaterra)
A partir de 1966, os Moody Blues enveredaram por uma sonoridade mais pop-rock de cariz sinfónico.
Esta nova era dos Moddy Blues foi inaugurada com Days of Future Passed (1966), um álbum conceptual e, acima de tudo, um projeto orquestral ambicioso que envolveu a London Festival Orchestra, guiada por Peter Knight, e o produtor Tony Clark. Este trabalho, do qual fez parte o maior clássico do grupo, "Nights in White Satin", marcou o início de uma era de grande sucesso comercial, contando sempre com a dupla Knight-Clark e que envolveu os cinco álbuns seguintes: In Search of the Lost Chord (1968), On the Threshold of a Dream (1969), To Our Children's Children's Children (1970), A Question of Balance (1970) e Seventh Sojourn (1972). Neste período incluem-se êxitos como "Ride My See-Saw", "Isn't Life Strange", "I'm Just a Singer (in a Rock and Roll Band)", "Steppin' in a Slide Zone", "Talking out of Turn", "Sitting at the Wheel", "Lean on Me (Tonight)" e "Gemini Dream" e "Legend of a Mind". O grupo fundou a sua própria editora, a Threshold Records e, em 1973, uma reedição de "Nights in White Satin" fê-los alcançar o Top 10 (em 1979, uma nova edição deste clássico voltaria a ser um sucesso).
Em 1974, os Moody Blues decidiram fazer uma pausa na sua atividade, permitindo o envolvimento dos seus membros em projetos pessoais paralelos.
Em 1978, regressaram com o bem sucedido Octave, após o qual Pinder decidiu deixar a música, sendo substituído por Patrick Moraz. Pouco tempo depois, foi a vez de Clark abandonar os Moody Blues, numa altura que o tema "Forever Autumn" era um grande sucesso.
As décadas de 80 e 90 assistiram ao decréscimo do sucesso comercial do grupo. A destacar as edições de Long Distance Voyager (1981), Kings of the Kingdom (1991) e Strange Times (1999).
Em 2000 foi editado Live at Albert Hall, um registo ao vivo gravado no Royal Albert Hall de Londres.
Depois de algumas edições ao vivo, os The Moody Blues lançaram December (2003), o seu primeiro disco de Natal. O alinhamento da banda estava reduzido a três elementos - John Lodge, Justin Hayward e Graeme Ede - já que Ray Thomas decidiu abandonar o grupo, no final da digressão desse ano. As canções eram nostálgicas, apontando os admiradores para um passado idílico e traçando horizontes para uma reabilitação espiritual do mundo. Uma nota para referir a versão de "Happy Xmas (War Is Over)", de John Lennon e Yoko Ono. A crítica considerou este disco como um dos melhores e mais originais discos de Natal alguma vez concebidos. Ainda nesse ano, o grupo lançou a compilação Ballads.
Como referenciar: The Moody Blues in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-24 18:37:50]. Disponível na Internet: