Tio Patinhas

Personagem
Personagem da Walt Disney, o Tio Patinhas, considerado o pato mais rico do Mundo, tem acumulada uma fortuna que faz dele o dono de um vasto império empresarial espalhado pelos quatro cantos do planeta. Sendo originário de uma família escocesa (muito associada à forretice), começou a trabalhar desde pequeno, como engraxador, onde ganhou a sua primeira moeda, a famosa moedinha número 1 que guarda desde então e que se tornou numa obsessão para a malvada Maga Patológica (uma bruxa com poderes mágicos), que está sempre a tentar roubá-la.
A principal casa do Tio Patinhas é a Caixa Forte, edifício imponente e emblemático, de espessas paredes, que se localiza em Patópolis, a imaginária cidade dos patos e das outras personagens Disney. Aí guarda o seu dinheiro num enorme depósito, no qual toma banho e anda de barco. Não dispensa contá-lo ou limpá-lo. Mas tanto dinheiro junto acabará por ser muito cobiçado pelos irmãos Metralhas, que tudo fazem para assaltar a Caixa Forte. Felizmente que a ajudar o Tio Patinhas a proteger a Caixa Forte estão os seus sobrinhos, o Pato Donald, Huguinho, Zezinho e Luisinho, entre muitos amigos, com os quais partilha inúmeras aventuras.
Embora conhecido por ser pão-duro (forreta, agarrado, sovina, avarento...), o Tio Patinhas também tem bom coração, praticando boas ações, mas raramente reconhece a sua prática.

Banda Desenhada
Uncle Scrooge Mc Duck (traduzido em português para Tio Patinhas) é uma criação de Carl Barks, tendo surgido em dezembro de 1947, em "Donald Duck's Christmas on Bear Mountain", história em banda desenhada (BD) publicada no número 178 da revista Four Color, dos Estados Unidos da América (EUA).
Com o sucesso da nova personagem, ao longo dos anos Barks foi enriquecendo consideravelmente o universo dos patos, criando uma galeria de personagens bem diferentes em termos gráficos mas também de personalidade, entre familiares, amigos e inimigos do Tio Patinhas. Apenas não criou o Donald, a Margarida e a Vovó Donalda, que já existiam.
Carl Barks ficou associado à criação dos sobrinhos de Donald, Huguinho, Zezinho e Luisinho, do Professor Pardal, do Lampadinha, do Gansolino, do Gastão, dos irmãos Metralha, do Patacôncio, da Maga Patalógica e do Silva, o irritante e provocador vizinho de Donald.
Depois de Barks, muitos outros nomes estão ligados à criação de histórias do Tio Patinhas, merecendo destaque os italianos Romano Scarpa, Rodolfo Cimino, Massimo De Vita, Giorgio Pezzin, Giorgio Cavazzano, Luciano Bottaro e Alberto Testa. De resto, em Itália o Tio Patinhas tem muita popularidade. Nos EUA podem ser referidos, entre outros, Jack Bradbury, Tony Strobl, Vic Lockman, Al Hubbard e Don Rosa ou os sul-americanos como Jorge Kato e Victor Arriagada Rios (Vicar).
Quando Don Rosa "tomou" a série em 1987, com a história "The Son of the Sun" (revista Uncle Scrooge n.º 219), regressou em grande parte o fulgor perdido desde a época de Barks, pelas narrativas históricas, desenho muito detalhado e coloração viva, em aventuras de grande fôlego.
Dos muitos suportes que apresentam personagens da Disney (vestuário, material escolar, produtos para o lar, etc.) os desenhos animados são, sem dúvida, os mais importantes, tendo o Tio Patinhas sido adaptado em diversas ocasiões. Ao contrário de outros nomes sonantes da galeria Disney (como Mickey ou Donald), o Tio Patinhas surgiu na BD (em 1947) e não em desenhos animados, nos quais apareceu apenas em 1955, na série Clube do Mickey.
Como títulos mais importantes, merecem destaque Scrooge McDuck and Money, de 1967, curta-metragem de 17 minutos, A Canção de Natal do Mickey, de 1983, a série televisiva Duck Tales (Caçadores de Aventuras), de 1987, e Tio Patinhas em Busca da Lâmpada Perdida (DuckTales: The Movie - Treasure of the Lost Lamp) , esta uma longa-metragem de 1990. Em 2001 surgiu em Disney's House of Mouse, uma nova série de TV.

Tio Patinhas em Portugal
Durante muitos anos as BD da Disney que circulavam em Portugal eram originárias da brasileira Editora abril, com as histórias do Tio Patinhas a aparecer com muita regularidade, nomeadamente em revistas como Tio Patinhas, Almanaque Disney, Disney Especial, este último temático e de maior número de páginas que os anteriores, e Disney Especialíssimo, volume cartonado contendo dois números do Disney Especial.
Em 1980 surgiu o Almanaque do Patinhas que, em simultâneo com a revista Mickey, se tornou a primeira revista Disney apresentada pelas Edições Morumbi, antecessora da Edimpresa. Estas revistas e outras que surgiram posteriormente, tiveram muito boa aceitação, circulando no mercado nacional em paralelo com o material originário do Brasil. A revista Tio Patinhas (1986) sucedeu ao Almanaque do Patinhas, registando-se também a publicação do Almanaque do Patinhas e do Mickey, sem esquecer vários outros títulos como Disney Especial, Disney Mania ou Hiper Disney.
Para além das revistas, merecem destaque os cinco álbuns editados pela Edinter em meados dos anos 80 do século XX, o volume da Coleção "Os Clássicos da Banda Desenhada", editado em 2004 e distribuído com o Correio da Manhã.
Uma última nota para A Saga do Tio Patinhas, volume inaugural da Coleção "Obras-Primas da BD Disney", editado em 2004 pela Edimpresa, apresentando a obra maior de Don Rosa.
Em termos de aventuras, Don Rosa já "apresentou" Portugal nas aventuras dos patos, quando fez uma história sobre Colombo, "Os Mapas Perdidos de Colombo", em "A Coroa dos Reis Cruzados", sem esquecer "De Elétrico em Lisboa". Uma outra edição especial, dedicada ao Euro 2004, inclui outra história passada em Portugal, "O Roubo da Taça do Euro", com o Tio Patinhas como personagem principal, mas feita por outros autores.
Embora Carl Barks nunca tenha vindo a Portugal, Don Rosa visitou o nosso país entre 26 de setembro e 1 de outubro de 1997, aquando do IX Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto, realizado no emblemático Mercado Ferreira Borges.
Como referenciar: Tio Patinhas in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-27 03:24:19]. Disponível na Internet: