Tom Jones

Cantor natural do País de Gales, Thomas Jones Woodward nasceu a 7 de junho de 1940, em Pontupridd. De origem humilde, começou por cantar no coro da igreja. Aos 16 anos casou-se e teve de ganhar a vida em várias atividades, desde a carpintaria à construção. Como part-time, cantou em bares, até que adotou o nome artístico Tommy Scott e fundou os Senators. Em 1963, o grupo tornou-se uma atração local, sendo requisitado regularmente para as principais salas e clubes locais.
Em 1964, mudou o apelido para Jones, e, já com Gordon Mills como empresário, foi para Londres, onde assinou pela editora Decca. Teve o seu primeiro êxito com "It's Not Unusual", em 1965. No mesmo ano surgiu outro sucesso: "What's New Pussycat?". Outros clássicos deste período inluíram "Green, Green Grass Of Home" (1967), "Delilah" (1969), "Love Me Tonight" (1969), "I'll Never Fall In Love Again" (1969), "Daughter Of Darkness" (1970), "I (Who Have Nothing)" (1970), "Without Love (There Is Nothing)" (1970), e "She's A Lady" (1971).
Em finais da década de 60, Tom Jones atingiu o estatuto de autêntico fenómeno pop mundial quando quatro dos seus álbuns atingiram a marca do ouro, e, nos Estados Unidos da América, estreou o programa televisivo This Is Tom Jones na estação ABC. A sua reputação como "símbolo-sexual" foi reforçada pela ligação a Mary Wilson, das Supremes. Durante a década de 70, privilegiou as atuações no circuito de Las Vegas em detrimento da gravações de estúdio.
Em 1987 participou na peça musical Matador e o single "A Boy From Nowhere" atingiu o número dois da tabela do Reino Unido, relançando a sua carreira. No ano seguinte, em colaboração com os Art Of Noise, gravou o original de Prince, "Kiss", um êxito mundial.
Em 1994, o álbum The Lead and How to Swing It foi bastante bem recebido pela crítica, e demonstrou a sua capacidade de adaptação às novas tendências musicais. Em 1996 teve uma pequena aparição em Mars Attacks (Marte Ataca) de Tim Burton. No ano seguinte gravou o original de Randy Newman, "You Can leave Your Hat On", que fez parte da banda sonora do filme The Full Monty. Devido ao sucesso do filme, Tom Jones foi convidado a interpretar, ao lado de Robbie Williams, um conjunto de temas da banda sonora na cerimónia de entrega dos Brits 1998.
O ano de 1999 viu sair um dos mais arrojados trabalhos da sua carreira, o álbum Reload, um conjunto de duetos que incluíram os The Cardigans ("Burning Down The House"), Mousse T ("Sex Bomb"), Natalie Imbruglia ("Never Tear Us Apart"), Robbie Williams ("Are You Gonna Go My Way"), entre outros. O disco teve um excelente desempenho comercial, recuperando a carreira de Tom Jones, trazendo-o de novo à primeira linha da pop mundial, especialmente à custa do grande sucesso do tema "Sex Bomb". Este álbum afirmou de forma irreversível a modernidade de Tom Jones, pela forma como foi capaz de acolher novas sonoridades e estabelecer parcerias com novos nomes sonantes da música.
No ano seguinte, surgiu no mercado uma recolha de temas ao vivo. Hot And Live não mereceu críticas muito positivas, falhando na tentativa de captar a ambiência dos espetáculos enérgicos de Tom Jones. Ainda em 2000, destaque para o lançamento de um disco de duetos antigos, onde ficaram registados alguns dos seus principais temas, interpretados na companhia de artistas como Chaka Khan, Tina Turner, Brooke Shields, Dionne Warwick, Gladys Knight, entre outros.
Em 2002, o cantor retomou as gravações de estúdio, gravando Mr. Jones. O disco seguia a mesma linha de Reload, ainda que sem colaborações especiais, mas não conseguiu um êxito significativo. Entretanto, foram editadas diversas compilações do trabalho de Tom Jones.
Como referenciar: Tom Jones in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-20 03:55:27]. Disponível na Internet: