Tratado de Frankfurt

Este ato diplomático, em maio de 1871, veio a restabelecer a paz entre França e a Alemanha, na sequência de um conflito armado travado entre estes dois países entre 1870 e 1871. Os acordos preliminares foram assinados em Versalhes a 26 de fevereiro de 1871 por Thiers e o príncipe de Bismark, e em março do mesmo ano foram aprovadas as condições do tratado pela Assembleia Nacional de Bordeaux.
As negociações foram seguidamente retomadas nas Conferências de Bruxelas de 28 de março, e prosseguiram em Frankfurt, para onde se dirigiram os diplomatas Jules Favre e Pouyer-Quertier. A assinatura do documento final veio a ocorrer a 10 de maio de 1871. As condições eram as mesmas acordadas nas primeiras negociações entabuladas entre as duas partes interessadas: a França ficava obrigada a pagar uma indemnização e a ceder a Alsácia, com exceção de Belfort e parte da Lorena; a única novidade introduzida era a troca de territórios dos arrabaldes de Belfort e certos distritos mineiros na fronteira da Lorena.
O Tratado de Frankfurt entrou em vigor, após troca de ratificações, a partir de 20 de maio. Graças à ação do Governo de Thiers, e em consequência direta do sucesso dos empréstimos negociados por ele em 1871, e, depois, em 1872, França conseguiu libertar-se do fardo da dívida antes dos termos fixados pela Alemanha e, em virtude da Convenção de 15 de março de 1873, a evacuação completa do seu território teve lugar em setembro desse ano.
Como referenciar: Tratado de Frankfurt in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 08:04:34]. Disponível na Internet: