Vale Abraão

Filme de Manoel de Oliveira, adaptado do romance homónimo de Agustina Bessa-Luís (1991). O filme foi realizado em 1993 e desenvolve a construção de um sublime retrato feminino, o de Ema Paiva. Utilizando para a mesma personagem duas atrizes diferentes, o realizador consegue transmitir diferenças físicas que correspondem a dois retratos psicológicos distintos que definem Ema em alturas diferentes. Ema é uma mulher dotada de grande beleza e cheia de paixões, alcunhada de a "Pequena Bovary", devido às suas parecenças psicológicas com a imortal personagem criada por Gustave Flaubert. Ela procura bater-se contra todas as misérias que se abatem em torno dela: aos 14 anos, é obrigada a casar-se com Carlos, um homem muito mais velho que a levará para um ambiente aristocrático. Ema acha a sua vida de casada demasiado boçal e refugia-se nos poemas que cria. Anseia por amor mas apenas o viverá num mundo de sonhos, por si idealizado. Terá três amantes que não a livrarão de um sentimento constante de desilusão que acaba por a levar à morte, por afogamento.
Destacam-se as interpretações de Cécile Sans de Alba e de Leonor Silveira, uma grande revelação neste filme, e, em papéis secundários, os experientes Ruy de Carvalho, Luís Miguel Cintra, Luís Lima Barreto e Isabel Ruth. De destacar também a extraordinária direção de fotografia de Mário Barroso, que aproveitará ao máximo a belíssima paisagem natural do Douro. Manoel de Oliveira não desprezou a banda sonora do filme, inserindo-lhe temas de Schumann, Beethoven, Debussy, Chopin e Fauré.
Como referenciar: Vale Abraão in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-12 03:51:10]. Disponível na Internet: