Vanessa da Mata

Compositora e cantora brasileira, Vanessa da Mata nasceu no dia 10 de fevereiro de 1976, em Alto Garças, no Mato Grosso, Brasil. Com uma infância fortemente marcada pela presença da música, aos 14 anos já se apresentava em pequenos bares, tocando canções de outros compositores brasileiros (Tom Jobim, Djavan, Milton Nascimento, entre outros) e dividindo os palcos com os pagodeiros do agrupamento Só Pra Contrariar. Em 1992, posteriormente à mudança para São Paulo, integra a banda reggae Shalla-Bal. A experiência enriqueceria os seus dotes vocais e permitir-lhe-ia a escolha para ser voz de suporte do coletivo jamaicano Black Uhuru, com quem passou pelos principais palcos brasileiros. A aventura seguinte foi no projeto Mafuá, banda liderada por Tião Carvalho, ligada à música regional. É nessa altura que desponta a sua curiosidade pela composição e Vanessa começa a escrever as suas primeiras canções, no recato do lar. É o músico Chico César que, descobrindo o som de Vanessa, a dá a conhecer à nata da música brasileira. Admirador do seu estilo, Chico César comporia com ela, em 1997, a canção "A Força que Nunca Seca", gravada dois anos depois por Maria Bethânia e usada como single de apresentação do álbum homónimo. A canção seria nomeada para um Grammy latino desse ano. Depois dessa gravação, também a cantora Daniela Mercury usou duas canções de Vanessa da Mata, as faixas "Viagem" e "Onde Ir", esta incluída, alguns anos depois, na telenovela Esperança, da TV Globo. Apresentada por Chico César ao guitarrista Swamy Jr., grava com este a primeira fita demo e tem as primeiras atuações com composições próprias, começando a atrair as atenções da comunicação social e do público. Nesta fase, outro impulso importante para a carreira de Vanessa da Mata foi proporcionado por Baden Powell que, três meses antes da sua morte, a convida para se apresentar com ele no Sesc Pompéia, no espetáculo "Todos os Cantos do Mundo", de 2000. Além dessa parceria momentânea, a cantora conheceria o congolês Lokua Kanza, no festival Percpan, em França, escrevendo algumas canções com ele. "Eu Não Tenho", peça incluída no alinhamento do disco de estreia de Vanessa, foi produto desse trabalho conjunto. Também o renomado produtor Liminha se associou à cantora, co-escrevendo as canções "Case-se Comigo" e "Longe Demais". Também escrita por Vanessa e Liminha foi a faixa "Não Me Deixe Só", cantada e gravada por Maria Rita.

O álbum de debute, lançado em 2002, incluía o grande êxito "Ai Ai Ai", trecho que ocupou grande parte do tempo das ondas radiofónicas e que integraria a trilha sonora da novela Belíssima. Além dessa canção, outras duas seriam escolhidas para telenovelas ("Eu Sou Neguinha" e "Ainda Bem"). O álbum teria produção de Jacques Morelenbaum e colheria apreciações muito positivas da crítica especializada. O sucessor, chegado às lojas em 2004, confirmaria a ascensão de Vanessa da Mata à primeira linha da moderna música brasileira, firmando o seu nome como uma das intérpretes mais relevantes.

Discografia 2002, Vanessa da Mata
2004, Essa Boneca Tem Manual

Como referenciar: Vanessa da Mata in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-18 03:28:52]. Disponível na Internet: