Artigos de apoio

Villa Rotonda
Tal como o nome o indica, a Villa Rotonda era uma residência de campo aristocrática. Localizada numa quinta de recreio, a sudeste de Vicenza, foi projetada pelo arquiteto Andrea Palladio (1508-1580) e encomendada pelo cónego Paolo Almerico, de Vicenza.
O edifício terá sido iniciado no final da década de 60 (cerca de 1566), embora se possa considerar que o projeto tenha sido realizado na década anterior.
Palladio havia já realizado algumas villas nesta região para outros mecenas ricos, das quais se destacam a Villa Barbaro em Maser ou a austera Villa Malcotenta (1560).
Formada por um volume central de planta quadrada, rematado por uma cúpula, apresenta nas quatro fachadas pórticos com frontões (que retomam a tradicional fachada dos templos clássicos, que Palladio pensava que as casas particulares romanas também possuíam), colocados sobre amplas escadarias. A forma das fachadas acentuam a pendente da encosta e a cúpula central representa a marcação de um ponto de domínio territorial que corresponde ao topo da própria colina.
Um dos aspetos mais interessantes desta habitação é precisamente a relação entre arquitetura e território e a interpenetração subtil entre interior e paisagem, através do enquadramento dos quatro pórticos, cada um dominando um setor específico dos magníficos jardins e terrenos naturais circundantes.
Outra das características inovadoras da casa é a pureza e radicalidade que a solução centralizada e simétrica assumiu neste projeto e o domínio da geometria e das relações proporcionais enquanto suporte compositivo de todos os espaços. Partindo do quadrado que forma a planta da Villa, uma série de submúltilplos definem as dimensões dos elementos apostos, como os pórticos em ordem jónica e as respetivas escadarias, que introduzem um recorte em forma de cruz grega.
As fachadas apresentam três pisos, sendo dominante, pela sua altura, o piso nobre. O piso térreo, que contém as zonas de serviço, funciona como envasamento e o ático, com altura quase igual, como remate superior ao nível dos frontões dos pórticos. O forte entablamento destes pórticos circunda todo o edifício, contribuindo para a forte unidade visual do conjunto.
A sala central, à volta da qual se encontra as restantes dependências nobres da Villa, apresenta um pé-direito que acompanha toda a altura do edifício, sendo rematada por uma cúpula decorada com pinturas realizadas por Alessandro Maganza. Um balcão com balaustrada marca o nível do ático, ligando as várias dependências localizadas neste piso. A sala é iluminada exclusivamente pelos quatro corredores abobadados que a ligam com as entradas localizadas nas várias fachadas da habitação.
A villa só esteve na posse da família Almerico durante uma geração, tendo o Conde Marius Capra adquirido a villa em 1591. Contrariando o carácter essencialmente lúdico da villa e dos jardins, este proprietário introduz áreas para exploração agrícola por forma a obter rendimentos que lhe possibilitassem o sustento da casa.
No final do século XVI os jardins da villa, são ornamentados com fontes, labirintos e esculturas, algumas das quais assinadas pelo artista Agostini Rubini. Na centúria seguinte foram executados os grandes frescos das paredes da sala cilíndrica central, em solução de trompe l'oeil ao gosto barroco que imperava na cultura italiana dessa época.
A Villa Rotonda alcançou quase imediato reconhecimento internacional e tornou-se num dos projetos mais conhecidos de Palladio. Encontrando na linguagem clássica de Palladio fonte de inspiração para uma nova linguagem, muitos artistas ingleses e americanos desenvolveram durante século XVIII um estilo que ficaria conhecido por neopalladiano e para o qual a Villa Rotonda constituiu uma das referências fundamentais, servindo inclusivamente de protótipo para algumas residências aristocráticas rurais.
Como referenciar: Villa Rotonda in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-06-29 15:06:39]. Disponível na Internet: