vírus

Embora a célula seja a unidade fundamental da vida, há certos "organismos", os vírus, que não são células. Não possuem citoplasma, nem organelos, nem membranas plasmáticas. Um vírus não é mais que um cristal de matéria orgânica inanimada. Alguns não têm mais que ácido nucleico e proteína.

Contudo, uma vez introduzidos numa célula hospedeira, a função biológica do vírus desperta. O vírus "adquire vida", manifestando duas características vitais: reprodução e hereditariedade. Os vírus alternam entre estados paradoxais - forma inanimada e forma viva -, em função da simplicidade da sua estrutura e do seu ciclo de vida.

Em geral, os vírus são caracterizados pelas seguintes propriedades:

São obrigatoriamente parasitas intracelulares; são incapazes de metabolismo independente; são mais pequenos que as mais pequenas bactérias; possuem um único tipo de ácido nucleico (ADN ou ARN), pelo que são classificados em adenovírus e rinovírus; alguns vírus podem cristalizar e inativar a sua infeciosidade. São inertes no exterior dos organismos vivos.

Existe grande variedade de vírus que infetam (doença vírica) plantas, animais e bactérias. Neste último caso, denominam-se bacteriófagos.

Poucas substâncias agem especificamente contra os vírus em células normalmente sensíveis.

 

Como referenciar: vírus in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-12-02 06:41:29]. Disponível na Internet: