Vouzela

Aspetos Geográficos
O concelho de Vouzela, do distrito de Viseu, ocupa uma área de 191 km2 e abrange 12 freguesias: Alcofra, Cambra, Campia, Carvalhal de Vermilhas, Fataunços, Figueiredo das Donas, Fornelo do Monte, Paços de Vilharigues, Queirã, São Miguel do Mato, Ventosa e Vouzela.
O concelho apresentava, em 2005, um total de 11 810 habitantes.
O natural ou habitante de Vouzela denomina-se vouzelense.
O concelho encontra-se limitado a este pelo concelho de Viseu, a sul por Tondela e Oliveira de Frades, a norte por S. Pedro do Sul e a oeste por Oliveira de Frades.
Possui um clima marítimo de transição e/ou de climas diferenciados. Consoante a disposição topográfica e o gradiente térmico, as temperaturas são mais elevadas nas áreas de menor altitude, assim como é mais chuvoso nos lugares cujas vertentes estão voltadas a poente.
A nível geográfico e morfológico, é considerada a "porta" de entrada da região do Caramulo, entre as terras de Lafões e o Vale do Vouga. É, assim, uma área relativamente acidentada, destacando-se como elevação de maior altitude a serra da Urgueira, com 762 m.
Como recursos hídricos, possui o rio Alcofra, o rio Alfusqueiro e o ribeiro de Ribama.
História e Monumentos
No concelho de Vouzela existem vestígios da sua ocupação desde a Pré-História, passando pelos domínios romano e árabe.
Em 1258, as inquirições mandadas realizar por Afonso III revelam um povoamento semelhante ao atual nas terras deste concelho.
Paços de Vilharigues é, historicamente, uma localidade importante no concelho, cuja torre senhorial foi antigo paço do século XIII e pertenceu à família dos Almeidas, com ligação ao herói do Toro (Duarte de Almeida, o Decepado) que a herdou de seu pai.
O concelho, ao que tudo indica, foi instituído por D. Duarte, em 1436.
Ao nível do património histórico e arquitetónico, destaca-se a Igreja de Santa Maria, a Igreja Matriz de Vouzela, dos séculos XII-XIII, em estilo românico-gótico, e que foi alterada, no século XVI, em estilo manuelino.
Destacam-se ainda a torre medieval, já referida, de Vilharigues, a pedra escrita de Serrazes, que constitui um exemplar de arte rupestre, e o Mosteiro de S. Cristóvão, fundado em 1157 e que seria um mosteiro beneditino, fundado por João Peculiar.
Tradições, Lendas e Curiosidades
São diversas as manifestações populares e culturais do concelho, entre elas o feriado municipal e a romaria do Espírito Santo, no dia 14 de maio; a romaria de S. Sebastião, a 20 de janeiro; a romaria de Santo Amaro, a 15 de janeiro; a romaria de Santo Antão, a 17 de janeiro; a romaria de Nossa Senhora das Neves, a 15 de agosto, e as festas da vila ou festas do Castelo (Nossa Senhora da Esperança), que têm como ponto alto também o dia 15 de agosto, sendo considerada a maior romaria de Lafões e tendo como principal atrativo o festival noturno (danças e cantares) e o fogo de artifício.
No artesanato, em Vouzela são típicos os bordados.
Como instalação cultural, salienta-se o Museu Municipal, localizado no antigo edifício do Tribunal da Comarca.
Economia
No concelho predominam as atividades ligadas aos setores primário e secundário, seguindo-se o terciário.
No que se refere à atividade agrícola, predominam os cultivos de cereais para grão, leguminosas secas para grão, prados temporários e culturas forrageiras, batata, prados, pastagens permanentes e vinha. A pecuária tem também alguma importância, nomeadamente na criação de suínos, coelhos e aves. Praticamente 46% (2653 ha) do seu território está coberto de floresta.
Como referenciar: Vouzela in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-02-24 20:05:17]. Disponível na Internet: