Wagner Tiso

Compositor, maestro e produtor brasileiro, Wagner Tiso Veiga nasceu no dia 12 de dezembro de 1945, em Três Pontas, no estado de Minas Gerais, no Brasil. Com formação musical desde tenra idade, viria a aprender teoria musical com Paulo Moura, especializando-se em instrumentos de teclas. Em 1964, fez parte do agrupamento Sambacana. A experiência durou dois anos e, depois disso, o jovem músico voltaria a trabalhar com Paulo Moura. Nessa fase, acompanharia diversos artistas da elite da música brasileira, casos de Cauby Peixoto, Ivon Cury, Maysa e Marcos Valle. Em 1969, integra a banda Som Imaginário, coletivo de suporte musical dos concertos de Milton Nascimento. A parceria com Milton marcaria as carreiras de ambos durante alguns anos, mormente no conjunto Luar de Prata, que ambos integraram durante alguns anos. A crescente mediatização do seu percurso no Brasil, onde era reconhecido como um executante de técnica superior, seria acompanhada pela curiosidade além-fronteiras. Os convites para participar em certames internacionais sucederam-se, merecendo destaque as apresentações, em nome próprio, em Atenas e Montreux. Além desses concertos, Wagner Tiso não deixou de acompanhar outros músicos, casos do inevitável Milton Nascimento, mas também de Flora Purim, Airto Moreira (ambos já célebres no universo americano) e Ron Carter. Nas décadas de 70 e 80, além de manter um ritmo elevado de atuações públicas, o compositor emprestaria o seu talento a vários trilhos sonoros para filmes brasileiros, séries televisivas e documentários. Essa tornar-se-ia, de resto, uma das suas atividades mais prolíficas, consolidando o estatuto de compositor, em detrimento da assinatura de músico de palco. Em paralelo, o músico fez arranjos para inúmeros discos de outros artistas, como Gonzaguinha, Paulo Moura, Johnny Alf e Milton Nascimento. Em 1978, o maestro gravaria o primeiro disco a solo.

Nos anos seguintes, tornando-se um dos compositores mais respeitados da música brasileira, manteve a tónica no cruzamento entre substâncias da música erudita e a feição mais popular das sonoridades brasileiras. Atuando ao vivo nos principais palcos da música mundial, comemoraria os 60 anos de idade com um magnífico espetáculo de artes performativas, com a sua música e contando com as participações de Milton Nascimento, Gal Costa, Cauby Peixoto, Paulo Moura, Uakti, Toninho Horta, a Orquestra Sinfónica Petrobras, entre muitos outros. O espetáculo seria registado em CD e em DVD, no ano seguinte.

Discografia 1969, Os Deuses e os Mortos (Banda Sonora)
1970, Som Imaginário
1971, Som Imaginário
1973, Matança do Porco (c/ o agrupamento Som Imaginário)
1977, Lyra dos Deuses (Banda Sonora)
1978, Wagner Tiso
1979, Assim Seja
1980, Trem Mineiro
1980, Poema Sujo (Banda Sonora)
1981, Inocência (Banda Sonora)
1981, Toca Brasil - Arraial das Candongas
1982, Wagner Tiso - Ao Vivo na Europa
1983, Todas as Teclas
1985, Coração de Estudante
1985, Os Pássaros
1986, Branco & Preto/Preto & Branco
1986, Chico Rei (Banda Sonora)
1987, A Floresta do Amazonas - Villa Lobos
1988, O Grande Mentecapto (Banda Sonora)
1988, Manú Caruê - Uma Aventura Holística
1988, Coração Imprevisto (c/ Eugénia Mello e Castro)
1989, Cine Brasil
1989, Só Louco
1990, Baobab
1992, Wagner Tiso - Profissão: Música
1993, O Livro de Jó - Trem Mineiro
1995, O Guarani (Banda Sonora)
1995, Wagner Tiso Ao Vivo com Rio Cello Ensemble
1995, Wagner Tiso e Orquestra de Cordas Brasileira - Brasil Musical
1996, Wagner Tiso e Paulo Moura - Brasil Musical
1996, Brazilian Scenes
1997, A Ostra e o Vento (Banda Sonora)
1999, Debussy e Fauré Encontram Milton e Tiso
2000, Tom Jobim Villa-Lobos
2002, Memorial (com Zé Renato)
2003, Tocar
2004, Cenas Brasileiras
2006, Um Som Imaginário

Como referenciar: Wagner Tiso in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-24 19:06:23]. Disponível na Internet: