Wenceslau de Moraes

Oficial da marinha de guerra português, Wenceslau José de Sousa Moraes nasceu a 30 de maio de 1854, em Lisboa, e faleceu a 1 de julho de 1929, no Japão. Em 1873 terminou o curso preparatório da Marinha na Escola Naval em Lisboa. Realizou numerosas viagens; permaneceu dez anos em Moçambique e cinco anos na China; exerceu as funções de imediato do capitão do porto de Macau, território onde foi também professor de Matemática e teve a oportunidade de conhecer Camilo Pessanha; foi oficial da Armada e cônsul de Portugal no Japão, país cuja cultura absorveu.
Dedicando-se às Letras, e tendo convivido com Camilo Pessanha, a sua obra constitui um modelo da sedução pela cultura oriental na literatura finissecular. Autor que tem tido ampla divulgação no Japão, merecendo um reconhecimento que, entre outras iniciativas, é atestado pela fundação de um Museu Wenceslau de Moraes e pela edificação de dois monumentos em sua homenagem em duas das cidades onde permaneceu, Tokushima e Kobe. Fascinado pela vida e cultura nipónicas, a sua obra, integrando em grande parte o género de literatura de viagens, apresenta a estética de um escritor que vê no solo nipónico ("nimbo de uma aurora, na sua plena apotheose de paiz privilegiado.") um reverso idealizado da civilização ocidental, passando para uma prosa refinada e impressiva a descoberta apaixonada da vida oriental.
Destacam-se as obras Dai-Nippon (1897), Relance da História do Japão (1924) e Relance da Alma Japonesa (1926).
Em Portugal, Wenceslau de Moraes foi alvo de uma homenagem, tendo-se comemorado os 150 anos do seu nascimento em 2004 e publicado o volume Permanência e Errâncias no Japão - uma compilação de postais ilustrados que fazem parte da correspondência mantida por Wenceslau de Moraes com a sua irmã Francisca.
Como referenciar: Wenceslau de Moraes in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-12 08:48:13]. Disponível na Internet: