Willa Cather

Romancista norte-americana, Willela Siebert Cather nasceu a 7 de dezembro de 1873, em Back Creek Valley, nas cercanias de Winchester, no estado da Virgínia. Aos nove anos de idade mudou-se com a família para uma quinta no Nebraska, onde tomou contacto com imigrantes vindos da Escandinávia.
Desde muito cedo se questionou quanto à sua identidade sexual, preferindo roupas masculinas e chegando a assinar o seu nome como "William Cather, Jr.". Em 1884 a família tornou a mudar-se para uma pequena localidade ferroviária, Red Cloud, em virtude do insucesso da quinta. O pai de Willa Cather montou então uma pequena companhia de seguros.
Embora tenha sido educada em casa, Willa Cather frequentou a Escola Secundária de Red Cloud. Colaborou ativamente nas encenações do teatro da comunidade e, por muitas vezes, representou papéis masculinos. Em 1888 o pai liquidou uma hipoteca sobre um jornal, que resolveu oferecer à filha, que o manteve durante cerca de três meses.
Cather deixou o lar familiar em 1890, não só para procurar cumprir o seu destino, como também para fugir ao conservadorismo de ambiente fechado que via com maus olhos a sua homossexualidade feminina. Mudando-se para Lincoln, ingressou em 1891 na Escola Latina, transitando no mesmo ano para a Universidade do Nebraska. Aí começou a escrever, publicando contos e colunas semanais no Nebraska State Journal.
Recebendo o seu diploma em 1895, decidiu ir viver para Pittsburg na companhia de Isabelle McClung, e aí passou os dez anos seguintes, trabalhando primeiro como jornalista e editora do Home Monthly e crítica de teatro do Daily Leader, e depois como professora das disciplinas de Inglês e Latim no ensino secundário, entre os anos de 1897 e 1901.
Estreou-se em 1903 como escritora com a publicação de uma compilação de poesia, April Twilights. Mudou-se para Nova Iorque em 1905, onde foi editora da McClure's Magazine, vivendo com outra amante, Edith Lewis.
Publicou o seu primeiro romance em 1912, Alexander's Bridge, ano em que apresentou a sua demissão do cargo editorial que mantinha, para se poder dedicar em exclusivo à escrita, pelo que viajou até ao sudeste dos Estados Unidos da América. Em 1913 apareceu O Pioneers, seguido de The Song of the Lark (1915).
Em 1918 publicou My Ántonia, romance tido como um dos seus melhores pela crítica, e em que descrevia a vida dos imigrantes pioneiros no estado do Nebraska. Em 1922 foi-lhe atribuído o Prémio Pulitzer pelo romance One of Ours (1922), que conta a história de um soldado que deixa as vastas planícies norte-americanas para combater na Primeira Grande Guerra, onde encontra a morte.
A Lost Lady (1923) reflete o crescente descontentamento da autora em relação ao crescente materialismo e dependência na tecnologia da civilização ocidental. Em 1940 publicou o seu último romance, Sapphira and the Slave, em que analisava o comportamento e as relações entre as mulheres afro-americanas.
Willa Cather faleceu a 24 de abril de 1947.
Como referenciar: Willa Cather in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-05-11 19:59:30]. Disponível na Internet: