Zhang Yimou

Realizador e argumentista chinês, Zhang Yimou nasceu a 14 de novembro de 1951, em Xi'an.
Começou por descobrir a sua primeira paixão, a fotografia, e chegou a vender sangue para poder comprar a sua primeira máquina fotográfica. Em 1978, consegue ser admitido no departamento de fotografia da academia de cinema de Beijing.
Formou-se em 1982 por essa academia, juntamente com figuras como Chen Kaige e Zhang Junzhao, uma classe de alunos que formaram nos anos 80 a chamada "quinta geração" do cinema novo chinês e começaram a fazer filmes após a revolução cultural.
Trabalhou depois como diretor de fotografia em pequenos estúdios no interior do país e colaborou com Chen Kaige no filme Yellow Earth (1984), o primeiro filme da "quinta geração". Foi depois convidado pelo estúdio de cinema de Xi'an onde descobriu a sua verdadeira vocação, a realização.
A sua estreia dá-se com o filme Hong gao liang (Milho Vermelho, 1987), pelo qual recebe o Urso de Ouro do Festival de Berlim, dando a conhecer ao público a bela Gong Li e catapultando Yimou para o sucesso internacional. O seu filme seguinte foi Daihao meizhoubao (1989), co-realizado com Fengliang Yang. Faz depois Ju Dou (1990), novamente com Gong Li, que lhe vale a nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro e a Seleção Oficial para o Festival de Cinema de Cannes. No ano seguinte, realiza Da hong deng long gao gao gua (Esposas e Concubinas), baseado no romance de Su Tong, passado na China dos anos 20, sobre um homem casado com quatro mulheres. Yimou recebe vários prémios, incluindo o Leão de Prata do Festival de Veneza e várias nomeações, incluindo a sua segunda nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro. Estes seus dois últimos filmes foram proibidos na China até ter realizado um filme de tema contemporâneo, aprovado pelo partido comunista: Qiu Ju da guan si (1992), uma comédia dramática protagonizada mais uma vez por Gong Li.
Realiza depois Huozhe (Viver, 1994), que recebe juntamente com outro filme o prémio do júri do Festival de Cannes; Yao a yao yao dao waipo qiao (A Tríade de Xangai, 1995), passado nos anos 30, sobre um império poderoso de droga, onde a violência é a ordem do dia; You hua hao hao shuo (1997), adaptação do romance de Ping Shu, uma comédia onde Yimou também participa como ator; Wo de fu qin um qin (1999), um drama romântico sobre um homem que após o pai morrer, relembra em flashback como os seus pais se conheceram.
Em 2001, realiza Xingfu shiguang e, no ano seguinte, volta a mudar de registo ao realizar Ying xiong (Herói), um filme histórico que combina o místico com o género mais popular da China, as artes marciais, e o resultado é visualmente magnífico. Um filme contado em jeito de fábula sobre um homem que elimina três inimigos para que o primeiro imperador da China conquiste mais uma província em guerra.
O seu filme seguinte é Shi mian mai fu (O Segredo dos Punhais Voadores, 2004), um épico passado durante a Dinastia Tang, um dos mais prósperos impérios da história chinesa. O filme ganha os prémios de melhor realizador, melhor filme estrangeiro e melhor fotografia nos prémios da associação de críticos de Boston, entre muitos outros, incluindo o de melhor filme estrangeiro da associação de críticos de cinema de Los Angeles e nove nomeações para os BAFTA.
Como referenciar: Zhang Yimou in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-01-19 05:10:49]. Disponível na Internet: