Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

António Jacinto

Escritor e político angolano, António Jacinto do Amaral Martins nasceu a 28 de setembro de 1924. Fez os estudos liceais em Luanda, trabalhando, mais tarde, como empregado de escritório. Nacionalista ativo e militante do MPLA, foi preso, em 1961, pela PIDE e condenado a catorze anos de prisão, dez dos quais cumpridos no campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde. Libertado em 1972, foi-lhe fixada residência em Lisboa, onde trabalhou durante cerca de um ano como técnico de contabilidade. Em 1973, evadiu-se de Portugal para se juntar às forças do MPLA, tornando-se diretor do CIR (Centro de Instrução Revolucionária). Durante a descolonização, a sua reconhecida capacidade organizativa levou-o a ocupar os cargos de ministro da Educação Nacional e secretário do Conselho Nacional da Cultura.
Elemento importante do Movimento dos Novos Intelectuais de Angola, criado em 1948, publicou Poemas (Lisboa, 1961) e colaborou em Mensagem (Luanda), Mensagem (Casa dos Estudantes do Império), Cultura II, Jornal de Angola, Itinerário, Brado Africano, Império e Notícias do Bloqueio. Sendo um dos mais representativos poetas angolanos, várias vezes incluído em antologias, o autor é também prosador, destacando-se, na sua obra mais recente, os livros Fábulas de Sanji (1988) e Vovô Bartolomeu (1989), que nos revelam um atento e profundo analista da vida social. Por vezes utiliza também, como contista, o pseudónimo Orlando Távora.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – António Jacinto na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 13:13:26]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros