Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Castro Alves

Poeta brasileiro, António Frederico de Castro Alves nasceu a 14 de março de 1847, na fazenda de Cabaceiras, em Muritiba (perto de Curralinho), hoje cidade Castro Alves, no Estado da Baía (Brasil).
Filho de um médico, mudou-se para Salvador com a família, em 1854, porque o pai passou a lecionar na Faculdade de Medicina de Salvador. Depois, foi estudar para o Rio de Janeiro, no Colégio Abílio César Borges, onde demonstrou talento para a poesia e, aos 17 anos, partiu para o Recife para estudar Direito.
Participou na vida literária e estudantil e começou a escrever poesias líricas e de carácter social. Conheceu a atriz portuguesa Eugénia Câmara (dez anos mais velha) para quem escreveu o drama Gonzaga ou a Revolução de Minas (publicado em 1875) que ela representou. Abandonado pela amante, Castro Alves levou uma vida boémia e intensa no Rio de Janeiro, onde conheceu José de Alencar e Machado de Assis que o introduziram no meio literário.
O poeta brasileiro Castro Alves
Durante uma caçada, feriu-se acidentalmente num pé, com um tiro de espingarda, sendo amputado, em 1869, no Rio de Janeiro. Em consequência, passou a andar com um pé de borracha e com uma bengala de apoio. Em 1870, sofrendo de tuberculose, regressou à Baía, procurando melhorar a sua saúde. Aí, publicou o seu primeiro livro Espumas Flutuantes, o único publicado em vida. Apaixonou-se pela cantora lírica italiana Agnese Trinci Murri, em 1871.
A 6 de julho de 1871, não resistindo à doença, morreu no Estado de Baía, aos 24 anos. Patrono da cadeira n.º 7 da Academia Brasileira de Letras, Castro Alves escreveu ainda outras obras, como A cachoeira de Paulo Afonso (1876), Os Escravos (1883) e Manuscritos de Stênio (1883) e Obras Completas (1921), em que parafraseia ou traduz Byron, Lamartine e Musset.
Poeta da 3.ª geração do Romantismo brasileiro, conhecida como Condoreira, Castro Alves apresenta duas vertentes distintas na sua poesia. Por um lado, uma vertente lírico-amorosa, onde o amor e a mulher passam a ser concretos e reais; o tema da morte deixa de ser uma fuga e torna-se num obstáculo à realização dos desejos do poeta; a exaltação da natureza é constante, sobretudo na referência a grandes aves, como a águia e o condor (símbolo da Condoreira). Por outro, uma vertente social, influenciada pelo francês Victor Hugo. Apologista do movimento abolicionista e da causa republicana, escreveu em defesa da abolição da escravatura, o que lhe rendeu o título de "Poeta dos escravos".
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Castro Alves na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:40:27]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Castro Alves na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:40:27]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais