Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

elipse (gramática)

Em estilística, trata-se de uma figura de sintaxe em que se verifica a supressão de uma ou mais palavras que podem ser contudo adivinhadas pelo contexto semântico e sintático da frase. Tem como objetivo tornar a frase mais viva, mais sincopada, com um significado mais concentrado, sendo recurso frequente não só em textos literários, como em provérbios:
"Que saudades de quem pensa. De Spinoza, de Nietzsche, do Augusto, daqueles à sombra dos quais recordo o que se imagina/ à sombra dos quais recordo os que me imaginam". (Maria Grabriela Llansol, 1994, Lisboaleipzig 1 o encontro inesperado do diverso, Lisboa: Rolim: 33) [itálico nosso, palavra suprimida dos sintagmas seguintes, embora se entenda "saudades de Spinoza, saudades de Nietzsche", etc.]
"Tal pai, tal filho". [tal como é o pai, tal como será o filho]
Em gramática, a elipse é um processo de economia linguística, podendo suprimir-se qualquer palavra ou sintagma, como por exemplo:
O sujeito verbal: "Ao fundo, recortadas no retângulo da porta, Marta e Maria movem-se na cozinha, num caleidoscópio. Por instantes param. Tornam-se som, respondem ao grito, perguntam que é." Rui Nunes, 1997, Grito, Lisboa: Relógio d'Água: 80.
O verbo ou o predicado completo: "A sombra dos braços sobre a barriga, como apóstrofes." (Rui Nunes, idem: 80). As frases sem predicado designam-se habitualmente por frases elípticas.
Uma palavra do sintagma, sendo responsável por numerosos casos de Derivação Imprópria: e.g. "um (dente) canino", "um (avião a) jato", "um (telefone) celular" (Br).

Em outros casos há elipse de preposições ou conjunções, seja por desconhecimento da regência preposicional, seja por economia linguística:
"Quase ninguém duvida que o principal conflito no Médio Oriente é uma disputa territorial entre dois povos: os israelitas e os palestinianos." [o verbo é duvidar de alguma coisa, pelo que deveria ser "duvidar de que"] (in PUBLICO, 22/01/1991:12)
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – elipse (gramática) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-25 18:00:48]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros