Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Fialho de Almeida

Escritor português, José Valentim Fialho de Almeida nasceu em 1857, em Vila de Frades, e morreu em 1911, em Cuba, no Alentejo.
Com uma adolescência bastante atribulada, filho de um mestre-escola e pequeno proprietário rural no Alentejo, de 1866 a 1872 faz os estudos elementares em Lisboa num colégio interno. Depois desses seis anos, e devido às dificuldades económicas da sua família, emprega-se como ajudante de botica num bairro pobre de Lisboa, onde contacta com as camadas sociais mais humildes. Entre 1875 e 1878, faz os estudos preparatórios para o ingresso no curso de Medicina na Escola Politécnica. Acaba por se formar aos 38 anos, mas exerce durante pouco tempo, preferindo cada vez mais a vida jornalística e literária e movendo-se nos ambientes boémios que tão bem descreverá nas suas crónicas. Cedo começou a frequentar o café Martinho da Arcada, em Lisboa, local de predileção da maioria dos escritores da altura.
Em 1880, funda e dirige a revista literária A Crónica e, dois anos depois, A Ilustração, mas colabora assiduamente em muitos outros periódicos como A Renascença (1878-1881), O Contemporâneo (1879), Museu Ilustrado (1878-1879), O Ocidente (1878-1891), A Ilustração Portuguesa (1884-1890) e A Folha Nova (1882-1890). Os seus primeiros volumes de contos, Contos, A Cidade do Vício e O País das Uvas saem respetivamente em 1881, 1882 e 1893. Em 1879, começa a publicar no diário Novidades um romance naturalista, intitulado "Os Decadentes - Romance da Vida Contemporânea", que deixará inacabado.
Fialho de Almeida, escritor português
Foi considerado um artista de natureza anárquica, revoltado com tudo e todos. Como crítico de arte e de costumes, publicou uma série de folhetos mensais, onde o seu espírito revoltado estava bem patente: Pasquinadas, Vida Irónica e Os Gatos, estes últimos inspirados pelas Farpas de Ramalho Ortigão e Eça de Queirós.
Em 1893, casa por conveniência com uma abastada proprietária alentejana, que o deixará viúvo dez meses depois. Nos últimos anos de vida, dedica-se à agricultura e viaja pela Europa. Morre, deixando um vasto espólio de dispersos, alguns dos quais serão publicados postumamente. A sua obra ficcional está marcada por tendências estéticas diversas, que vão desde a influência romântica de Camilo ao decadentismo finissecular, patente na ideia da degenerescência nacional, passando pelo realismo-naturalismo de Zola e de Eça de Queirós.
Ao longo da sua obra, Fialho de Almeida sempre sentiu dificuldades de expressão, que fazem dele um escritor estilisticamente limitado. A sua obra, porém, permanece interessante, sobretudo pela finura da ironia e da crítica. Os temas que trata são variados: ora é a vida da cidade, com a sua pobreza, os vícios, a decadência, ora é a vida tranquila, serena e realista da sua terra, o Alentejo.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Fialho de Almeida na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-24 19:17:11]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros