Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Garcia de Orta

Médico e naturalista português, nasceu provavelmente em 1500, em Castelo de Vide, e faleceu em 1568, em Goa. Os seus pais, Leonor e Fernando de Orta, eram judeus refugiados de Espanha, movidos pela grande perseguição encetada pelos reis católicos espanhóis em 1492.
Depois de ter estudado Filosofia Natural, Medicina e Botânica em Salamanca e Alcalá de Henares, em Espanha, voltou, em 1523, a Castelo de Vide onde viria a exercer medicina. Dois anos depois, instalou-se em Lisboa onde se tornou médico do rei e conheceu o matemático Pedro Nunes, de quem se viria a tornar grande amigo. Por volta de 1530, ingressou, como professor de Filosofia, na Universidade de Coimbra.
Por um lado, devido ao seu desejo de conhecer o mundo, por outro, dadas as sua origens e temendo a perseguição da Inquisição, partiu, em 1534, para a Índia onde se tornou amigo de Luís de Camões. Íntimo e médico do vice-rei, instalou-se em Goa: foi-lhe dado o foro de Bombaim, exerceu clínica, prosperou como comerciante, casou, fundou um jardim botânico e um museu, até que, cerca de 30 anos depois, a Inquisição foi introduzida na Índia.
Estátua de Garcia de Orta (1500-1568)
Em Goa, reflexo do seu convívio com médicos árabes e hindus, escreveu Colóquios dos Simples e Drogas e Cousas Medicinais da Índia (1563), obra mista de medicina, farmacologia e filosofia natural, que revolucionava os conhecimentos da velha Europa, valendo como reação contra o saber dos Antigos, como afirmação dos valores da experiência e das aquisições científico-naturais. Ainda assim, o livro foi autorizado a ser impresso pela Casa da Suplicação e pela Inquisição. O autor, entretanto, experimentou grandes dificuldades financeiras e viu várias pessoas da sua família devassadas pela fúria inquisitorial, inclusive uma irmã, Catarina, condenada à fogueira pelo crime de judaísmo. Em 1580, o Tribunal do Santo Ofício acabou por condená-lo post-mortem, também pelo crime de judaísmo, desenterrando e queimando os seus ossos.
Conhecendo inúmeras edições, traduções e adaptações ao longo dos séculos XVI, XVII e XVIII, os Colóquios dos Simples e Drogas e Cousas Medicinais da Índia constituem um dos maiores contributos de Portugal para o espírito científico e experimental do Renascimento.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Garcia de Orta na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-18 20:34:48]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros