Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Roménia

Geografia
País da Europa Oriental. Banhado pelo mar Negro, a leste, faz fronteira com a Ucrânia e a Moldávia, a nordeste e a norte, com a Hungria, a noroeste, com a Sérvia, a sudoeste, e com a Bulgária, a sul. Abrange uma área de 237 500 km2. As principais cidades da Roménia são Bucareste, a capital, com 1 897 100 habitantes (2004), Iasi (318 400 hab.), Timisoara (314 500 hab.), Constanta (307 400 hab.) e Galati (295 600 hab.).
Grande parte do país é abrangida pelas montanhas dos Cárpatos. Os chamados Alpes Transilvânicos, com altitudes da ordem dos 2500 metros, localizam-se na parte central do território, segundo uma direção oeste-este. Limitam, a norte, a secção terminal do rio Danúbio, que drena uma extensa planície antes de desaguar no mar Negro.
Praça Unirii emTimisoara, Roménia
O Castelo do Conde Drácula, na Transylvania
Bandeira da Roménia
Parlamento, ou People's House, mandado construir por Ceausescu nos anos 80, em Bucareste
Teatro (Teatrul de Stat) dos arquitetos Ferdinand Fellner e Hermann Helmer, 1899-1900, Oradea, Roménia
Na Roménia, em dezembro de 1989, as tropas vieram para a rua para derrubar o regime ditatorial
Clima
O clima é temperado continental, com invernos rigorosos e verões relativamente quentes. A precipitação concentra-se mais nos meses de verão.
Economia
As principais produções agrícolas romenas são o milho, o trigo, a batata, a beterraba açucareira e a cevada. Na criação de gado, têm significado os efetivos de ovinos, suínos e bovinos. Na produção mineira e energética, merecem referência o petróleo e o gás natural, embora o esgotamento das reservas torne insuficiente o abastecimento interno. A indústria, anteriormente baseada na petroquímica, tenta diversificar as suas produções e evoluir tecnologicamente. Os principais parceiros comerciais da Roménia são a Alemanha, a Itália, a Rússia e a França.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita (toneladas métricas, 1999), é de 3,6.
População
A população era, em 2006, estimada em 22 303 552  habitantes. Corresponde a uma densidade populacional de 94,02 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 10,7%o e 11,77%o. A esperança média de vida é de 71,63 anos. O valor do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,773 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,771 (2001). Estima-se que, em 2025, a população diminua para 20 854 000 habitantes. Os romenos constituem a maioria, com 89% da população da Roménia; a minoria húngara representa 7%. Em termos religiosos, predomina a Igreja Romena Ortodoxa (87%), sendo os católicos 5%, os ortodoxos gregos 3% e outros 5%. O romeno é a língua oficial, contudo as minorias preservam a sua comunidade linguística.
História
A antiga Roma subjugou este território, a então província da Dácia, constituída por povos que habitavam as montanhas dos Cárpatos e a Transilvânia, conduzindo-o à aceitação das suas leis e da sua linguagem própria (o romeno provém do latim). As constantes invasões, entre os séculos VI e XII, por Hunos, Búlgaros, Eslavos e outros invasores levaram ao abandono da Dácia pelos Romanos. No século XI a Transilvânia foi absorvida pelo Império Húngaro. O primeiro estado romeno foi estabelecido na Valáquia, no Sul dos Cárpatos, no século XIV. O segundo estado romeno foi a Moldávia, que foi fundada em 1349, a leste dos Cárpatos, no vale do rio Prut, tornando-se ambos parte do Império Otomano nos séculos XV e XVI.
Ao domínio turco sucedeu-se o domínio russo, entre 1829 e 1856. Os Romenos da Transilvânia continuaram a viver sob o controlo húngaro. O nacionalismo começou a nascer na Roménia no século XIX; surgiram insurreições na Valáquia, na Moldávia e na Transilvânia, que foram suprimidas pelos Otomanos e pelos Russos. Depois da Guerra da Crimeia (1853-56), a Valáquia e a Moldávia tornaram-se novamente principados independentes, elegendo um único príncipe e criando de facto o Estado Romeno. O estado uniu-se administrativamente em 1861, mas só foi reconhecido internacionalmente pelo Tratado de Berlim, em 1878, a seguir à Guerra Russo-Turca.
A Roménia participou na Primeira Guerra Mundial com os Aliados, mas as forças do poder central cedo ocuparam Bucareste e a maior parte do país. O território romeno duplicou com a anexação da Transilvânia, da Bukovina e da Bessarábia. A incorporação destes territórios não foi pacífica, por vários fatores, como a convivência, as novas minorias, a depressão económica dos anos trinta, o crescimento de uma política extremista e o surgimento de movimentos fascistas, à semelhança do que acontecia na Alemanha e na Itália. A Roménia fez uma aliança com o governo nazi alemão em 1941. Um total de 500 000 soldados alemães juntaram-se ao exército romeno com o fim de, em conjunto, invadirem a União Soviética. Em 1944 as tropas soviéticas assaltaram a Roménia. Sob esta ocupação, os líderes da direita e o rei abdicaram do poder. Os comunistas romenos adquiriram o controle total do país em 1948; proclamaram uma constituição, baseada na russa, e este país passou a chamar-se República Popular da Roménia.
O Partido Comunista da Roménia, liderado por Nicolae Ceausescu, começou a implementar uma política independente do Estado Soviético, embora usasse a bandeira do socialismo e as mesmas doutrinas económicas, o país era governado pela sua família e a população estava sob o seu autoritarismo, auxiliado pelo terror da polícia secreta. Enquanto o país se afundava em dívidas, a família do ditador desperdiçava a riqueza da nação em monumentos públicos e planos urbanísticos. Em 1989, com a queda do comunismo na Europa, Ceausescu tentou resistir, impondo medidas impopulares. Em dezembro desse ano imergiram manifestações antigovernamentais nas cidades, que tiveram o apoio do exército. O ditador romeno fugiu. Logo a seguir, foi preso e executado pelo novo governo provisório. No decorrer da revolução, um grupo denominado Frente Nacional de Salvação passou a chefiar o governo. Foi adotada em 1991 uma nova constituição. A Roménia dispõe de um sistema multipartidário, onde são garantidos às minorias lugares no parlamento.
Os Romenos deram um importante contributo para as artes e para as letras. O poeta Mikhail Eminescu fundou uma escola de poesia que viria a influenciar os escritores dos séculos XIX e XX. O compositor e violinista Georges Enesco tornou-se o mais conhecido compositor romeno.
O país passou a fazer parte da União Europeia a 1 de janeiro de 2007, doze anos após a solicitação de adesão, efetuada a 22 de junho de 1995.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Roménia na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-19 11:36:38]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais