Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Stendhal

Pseudónimo do escritor francês Marie-Henri Beyle, que nasceu em Grenoble, França, a 23 de janeiro de 1783 e morreu a 23 de março de 1842 em Paris. É um dos mais originais e complexos escritores da primeira metade do século XIX, conhecido pelos seus trabalhos de ficção. Orfão de mãe aos sete anos, isso fê-lo aumentar a predisposição para a solidão e levou-o a distanciar-se do pai. Como estudante, interessou-se pela Literatura e pela Matemática. Em 1799 fugiu para Paris para escapar ao controlo paternal.
A sua secreta ambição ao chegar a Paris era tornar-se dramaturgo, mas acaba por vir a pertencer ao exército de Napoleão, que o leva a Itália, cuja paisagem e arte o entusiasmam. Em 1802 chegou a Paris e trabalhou em vários projetos literários, nenhum dos quais chegou a terminar.
Colocado na reforma pelos Bourbons com um subsídio modesto, retirou-se para Milão, onde viveu sete anos (1814-1821). Foi durante a estadia em Milão que iniciou a sua carreira literária. Tornou-se amigo dos milaneses liberais e dos patriotas da carbonária, estudou música e artes e escreveu as suas primeiras obras: Vies de Haydn e Mozart et Métastase, em 1814; Histoire de la Peinture en Italie e Rome, Naples et Florence, em 1817, onde aparece com o pseudónimo que não mais deixaria. Divide o seu tempo entre o enriquecimento cultural e os amores que o desapontaram, como foi o caso de Matilde Dembowski, que o rejeitou. Esta e outras mulheres iriam servir-lhe de modelo para algumas personagens dos romances. Entretanto, as suas amizades políticas comprometeram-no aos olhos das autoridades austríacas ocupantes, que o mandaram embora de Milão em 1821.
Retrato de Stendhal por Sodemark
Regressa a Paris onde tem uma vida intelectual ativa, principalmente no período entre 1821 e 1830. Interessou-se pela polémica entre clássicos e românticos. Da experiência milanesa resultou o livro De l'Amour, publicado em Paris em 1822. O seu amor pela música italiana manifesta-se na Vie de Rossini, em 1824. Publica em 1827 Armance, a sua primeira tentativa de romance, livro onde a força dramática está muito presente, assim como um grande poder de análise teatral. Volta a viajar em Itália e escreve as Promenades dans Rome, em 1829, onde se sente a fascinação pelo modo de ser dos italianos. Em 1830 publica a obra prima le Rouge et le Noir cujo enredo se baseia na aventura de um jovem seminarista homicida e morto no patíbulo. Stendhal criou a personagem Julien Sorel, que, sob as vestes clericais, alimenta o sonho de grandeza napoleónica. Aproveitando uma longa licença em Paris, escreve a obra prima la Chartreuse de Parme, em 1839, e reúne nas Chroniques Italiennes narrações de aventuras trágicas. Compôs Mémoires d'un touriste e teve ainda tempo para iniciar um outro romance chamado Lamiel, que não conseguiu completar.
Stendhal foi mandado para o consulado francês para os Estados Papais e redige os Souvenirs d'Égotisme, Vie de Henri Brulard, e inicia o romance autobiográgico intitulado Lucien Leuwen. Estes trabalhos ficaram incompletos e foram publicados postumamente. São hoje considerados os seus últimos escritos.
Os heróis de Stendhal são herdeiros dos heróis românticos, mas são psicologicamente mais ricos e plurifacetados porque se encontram dotados de uma maior sensibilidade. O escritor parte da observação do real, embora não se contente em ser puramente descritivo. O objetivo do romancista é criar personagens completas no aspeto psicológico, social ou temperamental. Pela naturalidade do seu estilo é já um realista.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Stendhal na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 15:30:49]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais