Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Vasco Santana

Ator de teatro e cinema português, nascido a 28 de janeiro de 1898, na freguesia de Benfica, em Lisboa, e falecido a 13 de junho de 1958, na mesma cidade. Personificou muitas figuras populares, tornando-se um ator conhecido no teatro de revista, em operetas, em comédias, no cinema e na rádio. Frequentou a Escola de Belas-Artes e esteve inclinado em seguir Arquitetura. Entrou no teatro de forma acidental, substituindo um colega doente na peça O Beijo (1916). Gradualmente, tornou-se uma figura popular devido à sua espontaneidade, humor acutilante e irreverente. Foi uma das grandes estrelas do teatro de revista durante os anos 30 e 40 e tentou dar novo ânimo à opereta, género já em decadência, produzindo e protagonizando um espetáculo que esteve praticamente dois anos em exibição: Invasão (1945). No teatro, deixou marcas em espetáculos como Auto do Fidalgo Aprendiz (1938), Há Horas Felizes (1956) e Três Rapazes e uma Rapariga (1957). Mas foi no cinema que potenciou de forma magistral todo o seu talento cómico e burlesco. Estreou-se ainda no tempo do cinema mudo em A Menina Endiabrada (1929), filme entretanto perdido. Seguiu-se Lisboa, Crónica Anedótica (1930) de Leitão de Barros. O seu primeiro êxito cinematográfico foi A Canção de Lisboa (1933), onde imortalizou a figura de Vasco Leitão, um estroina estudante de Medicina que descura os estudos em favor dos namoricos e do fado. Nesta produção, popularizaria o tema "O Fado do Estudante", por si interpretado. Só voltou ao cinema oito anos depois: em O Pai Tirano (1941) protagonizou alguns dos gags mais inesquecíveis da História da comédia portuguesa, interpretando o Mestre José Santana, encenador de um grupo dramático amador. No ano seguinte, outra personagem imortal: o alcoólico Narciso de O Pátio das Cantigas (1942) que mantinha uma rivalidade com Evaristo (António Silva). A partir daí, teve prestações em títulos como Camões (1946), onde foi o taberneiro Malcozinhado, Fado, História Duma Cantadeira (1948), Não Há Rapazes Maus (1948), Ribatejo (1949), Sonhar é Fácil (1951), Eram Duzentos Irmãos (1952), O Comissário de Polícia (1953), O Costa de África (1954) e O Dinheiro dos Pobres (1956). Também foi uma das figuras mais populares da Emissora Nacional, onde protagonizou os programas radiofónicos humorísticos As Lições do Tonecas (1948) e Lelé e Zequinha (1952), neste último ao lado de Elvira Velez. Foi casado com a atriz Mirita Casimiro e foi pai de Henrique Santana, que seguiria as pisadas do seu progenitor.
O ator Vasco Santana
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Vasco Santana na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 06:47:56]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais