Alan Parsons Project

Grupo rock inglês, fundado em 1975, na cidade de Londres, em Inglaterra. O seu principal mentor foi o músico Alan Parsons. Nascido em 20 de dezembro de 1948, Alan Parson cedo revelou o seu interesse pela música, tendo estudado piano ainda em tenra idade. Um dos primeiros empregos foi na editora EMI, duplicando cassetes, o que lhe permitiu a experiência única de lidar diretamente com a gravação original do mítico "Sgt. Pepper's Lonely Hearts' Club Band", título que os Beatles lançariam em 1967. Este episódio despertou no jovem Alan o desejo de descobrir as peripécias da engenharia de som e, por força disso, levou-o a conseguir um lugar nos Abbey Road Studios, onde viria a estar envolvido, três anos mais tarde, nas sessões de gravação de outro álbum do quarteto londrino, mais propriamente "Let It Be" (1970). Embora fosse, na altura, apenas assistente de gravação, Alan conviveu de perto com os Beatles, conquistando a confiança dos músicos, ao ponto de vir a ser convidado por Paul McCartney para produzir dois álbuns do artista ("Wild Life" (1971) e "Red Rose Speedway" (1973)). Depois deste contacto com os Beatles, Alan Parsons produziu alguns êxitos, solidificando a sua imagem de engenheiro de som. A sequência lógica do êxito foi a produção de "Dark Side of the Moon", registo lendário dos Pink Floyd. Esse trabalho havia de render-lhe as primeiras de várias nomeações para os Grammy.
Consolidada a posição de produtor, Alan Parson avançou, na companhia do compositor Eric Woolfson, para a criação de discos em nome próprio, fundando os Alan Parsons Project. A estreia em disco aconteceu em 1976 com "Tales of Mystery and Imagination", uma coleção inspirada no trabalho de Edgar Allan Poe. Na mesma linha, a ficção de Isaac Asimov haveria de servir de mote ao registo seguinte "I Robot" (1977). Depois de uma passagem fugaz pelo Mónaco e de uma razoável cadência de edições bem sucedidas, o grupo voltou a casa. É aí que gravam "Eye in the Sky" (1982), o registo com melhores marcas comerciais. "Ammonia Avenue" (1984), "Vulture Culture" (1985), "Stereotomy" (1986) e "Gaudi" (1987) foram os títulos seguintes.
Em 1990, o coletivo britânico tentou a sua sorte nos musicais, com a peça "Freudiana" (1990), em cena durante mais de um ano em Viena, na Áustria. Posteriormente, a dupla dividiu-se. A cisão marcou o fim dos Alan Parsons Project. Enquanto Eric prosseguiu o rumo dos musicais, Alan pensou em elevar o som do grupo a outros níveis, com a intenção de trazer o rock sinfónico aos palcos. Na companhia de amigos de longa data - Ian Bairson (guitarra) e Stuart Elliot (bateria) - gravou "Try Anything Once" (1994), agora sob o epíteto Alan Parsons. A esse disco seguiram-se outras edições e algumas digressões internacionais.
Como referenciar: Alan Parsons Project in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-12 10:00:38]. Disponível na Internet: