Aleksandr Pushkin

Escritor russo, nascido em 1799 e falecido em 1837, cujas qualidades poéticas desde cedo se manifestaram, tendo alcançado o reconhecimento público em 1820 com o poema "Ruslan e Ludmila", uma exaltação da cultura medieval russa.

Enquanto poeta, Pushkin fazia uso de expressões e lendas populares, marcando os seus versos com a riqueza e diversidade do idioma russo. Devido às suas ideias progressistas, foi desterrado, viajando, entre 1820 e 1824, pelo sul do Império Russo.
No decurso deste período, compôs diversos poemas de influência byroniana, de entre os quais se destacam "O prisioneiro do Cáucaso", "A fonte de Baktchisarai" e "Os ciganos". No entanto, não deixou de inovar, introduzindo elementos realistas, o que o levou a designar o seu estilo como "romantismo realista".

Escreveu um romance em verso, Yevgeni Onegin, um retrato panorâmico da vida russa e que constituiu o ponto de partida para o romance realista russo do século XIX; publicou o drama histórico Boris Gudonov, em que evidencia a influência de Shakespeare.

Em 1826, recebeu o perdão do imperador, regressando a Moscovo. Dois anos depois, escreveu Poltav, uma epopeia que narra a história de amor do cossaco Mazeppa. Cultivando, cada vez mais, a prosa, alcançou grande sucesso com obras como Contos de Belkin, A Dama de Espadas e A Filha do Capitão.
Como referenciar: Aleksandr Pushkin in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-24 19:15:13]. Disponível na Internet: