Amenhotep I

Segundo rei da XVIII Dinastia, Amenhotep I ou Amenófis I (denominação grega) era filho do rei Ahmose e da rainha Ahmose Nefertari, colocando-se a hipótese de ter sido corregente do trono e vida de seu pai. Poderá ter casado com Ahhotep II, sua irmã. As datas do seu reinado são incertas, sendo uma das cronologias apontadas a dos anos entre 1527 e 1506 a. C. Tomou o nome de Djeserkare ("O ka de Rè é santo"), sendo que o seu nome próprio significa "Amon está contente". Durante o seu governo deu-se uma centralização do aparelho administrativo nas famílias detentoras de mais poder. No ano um do seu reinado travou uma invasão líbia no Delta do Nilo e no ano oito invadiu militarmente a região de Cush, na Núbia, nomeou Turi como vice-rei desta zona e voltou ao Egito com cativos. Em Sai, ainda na Núbia, mandou erigir um templo que marcou a fronteira sul com o Egito. Outras obras arquitetónicas que empreendeu foram o alargamento do templo de Hathor no Sinai, a criação de uma capela dedicada ao seu pai Ahmose em Abidos, um portão em Carnac decorado com cenas do Festival das Sementes e a ereção do templo de Carnac em Tebas, utilizando calcário proveniente de Gebel el-Silsila e alabastro de Bosra e de Hatnub. Em Carnac, centro do culto a Amon, encontraram-se ainda uma série de relevos da época deste rei. Tanto Amenhotep I como a sua mãe Ahmose Nefertari tornaram-se após a morte deuses protetores da necrópole de Tebas e venerados com especial destaque em Deir el-Medina, sendo associados à ressurreição. A morte do filho de Amenhotep I fez com que este fosse sucedido pelo genro, Tutmósis, que era casado com a princesa Ahmose e comandante das tropas.
Do seu reinado subsistiu o "Papiro Ebers", um documento médico que fornece importantes informações sobre a época.
Como referenciar: Porto Editora – Amenhotep I na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-01-19 20:50:06]. Disponível em