António Segadães Tavares

Engenheiro português nascido em 1944, em Luau, em Angola. Em criança brincava com jogos de construção em madeira e cartão, construindo miniaturas de casas, pontes e estações. Aos 16 anos, partiu para Lisboa e, fascinado com a era da energia atómica e com a navegação no espaço, matriculou-se em Engenharia Eletrónica. Em 1962, quando foi decretado o luto académico, participou em greves e manifestações. Mais tarde manteve ligações ao MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola). Nesta altura dedicou-se mais ao movimento de revolta estudantil do que aos estudos e, entretanto, resolveu mudar de curso. Foi estudar para Coimbra, desta vez Engenharia Civil, mas terminou o curso na Faculdade Engenharia da Universidade do Porto em 1968. Foi considerado o melhor aluno do curso e por isso ganhou o Prémio da Fundação Engenheiro António de Almeida, do Porto.
Dando logo início à carreira académica, foi convidado para assistente no Instituto Superior Técnico de Lisboa e, mais tarde, regressou ao seu país de origem para lecionar na Faculdade de Engenharia da Universidade de Luanda, onde se manteve até finais de 1975. Tinha resolvido ficar em Angola mesmo após os confrontos que se seguiram ao 25 de abril de 1974, até que em outubro de 1975 lhe saquearam a casa.
De regresso a Portugal, ingressou como professor Associado do Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
Entretanto, trabalhava já como projetista desde 1969 nas área de estruturas e fundações, pautando o seu trabalho entre a beleza e a funcionalidade.
Membro de algumas associações estrangeiras, da Ordem dos Engenheiros, da Federação Internacional do Betão e da Sociedade Portuguesa de Geotecnia, é autor de vários trabalhos e publicações, e da obra Análise Matricial de Estruturas (1972).
As suas obras mais conhecidas são o Centro Cultural de Belém e a pala do Pavilhão de Portugal da Expo'98, embora se possa citar mais algumas, como o Estádio da Cidadela em Luanda, o Vasco da Gama Shopping, a Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa, o projeto de reconstrução da zona sinistrada do Chiado e o projeto de reforço e consolidação do túnel do Rossio.
Como reconhecimento do seu valor, ganhou o Premio Secil, em 2001, e foi distinguido com o OStrA (Outstanding Strutuctures Award - Prémio para Estruturas Notáveis) atribuído pela IABSE (International Association for Bridge and Structural Engineering - Associação Internacional para Engenharia de Pontes e Estruturas), a 22 de setembro de 2004. O motivo do prémio foi a ampliação da pista do Aeroporto Internacional da Madeira, no Funchal. O prémio, entregue em Xangai, na China, é o mais importante a nível de Engenharia de Estruturas e António Segadães Tavares foi o primeiro português distinguido.
Como referenciar: Porto Editora – António Segadães Tavares na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-01 18:33:53]. Disponível em