áreas culturais

Designação que tem origem na escola culturalista americana e na escola erudita austro-alemã de Graebner, e que designa uma região geográfica (Kulturkreis) caracterizada por um certo complexo de aspetos ou traços culturais (Kulturcomplexe) que são partilhados por vários grupos culturais devido a uma adaptação e/ou história comum. Este conceito foi introduzido pela teoria cultural difusionista, com um suporte arqueológico significativo. Os nomes mais significativos desta teoria cultural são, em Inglaterra, G. Elliot Smith e W. J. Perry, na Alemanha e Áustria, Graebner e o padre W. Schmidt, e nos Estados Unidos, Kroeber, Goldenweiser, Sapir e Wissler. A similitude de certos traços culturais em determinados setores culturais, contíguos ou não, leva à procura de uma área cultural ou círculo de difusão destes elementos a partir de um centro original.
No passado, esta teoria das áreas culturais era demasiado etnocêntrica e mostrava uma grande desconfiança na capacidade inventiva da Humanidade, designando somente certas áreas como as únicas onde os traços culturais surgiram e donde se difundiram, como, por exemplo, o Egito. Tem também uma valorização exagerada da linguística, da arqueologia e da história. Hoje, área cultural poderá significar uma região geográfica caracterizada por um conjunto de traços mais ou menos definidos, os quais são partilhados por vários grupos sociais e culturais através de uma adaptação ecológica e história comum.
Como referenciar: áreas culturais in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 19:50:06]. Disponível na Internet: