Asclépio

Deus da medicina, era filho do deus Apolo e de Corónis, uma belíssima donzela filha do rei Flégias da Tessália. Corónis no entanto foi morta por Apolo, ou por Artemisa, que disparou uma das suas setas a pedido de Apolo. A sua morte foi provocada pela infidelidade a Apolo (pois Corónis apaixonara-se pelo filho de Élato, Ísquis), que o deus soube através do seu mensageiro, um corvo branco. Este, pela má notícia que transportou, viu as penas brancas transformadas em negras. Esta é a mais divulgada das versões relacionadas com o nascimento de Asclépio ou Esculápio, como lhe chamaram os povos de língua latina.
Os remorsos fizeram com que Apolo se apoderasse do filho prestes a nascer antes da mãe ser queimada na pira. Entregou então a educação de Asclépio ao velho e sábio centauro Quíron. Asclépio passou então parte da sua vida na caverna de Quíron no monte Pélion, sendo o favorito do mestre, uma vez que o seu principal interesse era os conhecimentos de medicina e não apenas os de desporto, como os dos outros pupilos de Quíron. Asclépio chegou a aperfeiçoar de tal modo o conhecimento da arte de curar que conseguia remédios para todas as doenças. Chegou inclusive a ressuscitar um morto, depois de lhe ser oferecida uma grande recompensa (este morto seria o filho de Teseu, Hipólito, que passou a ser adorado como deus na Itália, sob o nome de Vírbio). Foram também ressuscitados Licurgo, Capaneu e o filho de Minos, Glauco. O segredo da ressurreição era o uso do sangue que escorria do lado direito da cabeça da Górgona, cortada por Atena. Esta divindade grega foi morta por um raio lançado por Zeus, irritado com a insolência de Asclépio ao intrometer-se nas funções dos deuses. Apolo matou por sua vez os Ciclopes (ou os seus filhos) no monte Etna com as suas setas, por terem feito o raio que Zeus arremessou. Como castigo, Zeus condenou Apolo a ser escravo do rei Admeto entre um e nove anos.
Asclépio tornou-se numa constelação denominada Serpentário, que tem este nome por se acreditar que as serpentes desempenhavam uma função importante na cura, sendo suas serviçais. Era um deus secundário, dos que acompanhavam os seres humanos ao longo da vida e lhes revelava a cura para os seus males em sonhos. O ritual que lhe era dedicado consistia em purificações, penitências, banhos e abstinências, sendo-lhe ofertados ouro e ex-votos pelos enfermos reconhecidos.
Entre as suas filhas nascidas do casamento com Epíone contavam-se Hígia (também uma divindade relacionada com a saúde), Egle, Aceso, Iaso e Panaceia. Na Ilíada referem-se também Macáon e Podalírio como seus filhos.
A escola médico-mística de culto a esta divindade em Epidauro, no Peloponeso, foi o primeiro passo para o avanço científico posterior. Os praticantes deste culto chamavam-se Asclepíades, de quem descendeu Hipócrates.
O cão, a cabra, pinhas, coroas de loureiros mas sobretudo o símbolo atual da farmacologia, duas serpentes enroladas num bastão, eram os símbolos de Asclépio.
Como referenciar: Asclépio in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-18 21:16:19]. Disponível na Internet: