Batalha de Guadalete

A batalha de Guadalete, que se insere no conjunto dos vários recontros guerreiros da invasão muçulmana da Península Ibérica, travou-se de 19 a 26 de julho de 711, a alguns quilómetros de distância da lagoa de Janda, em Espanha, junto ao rio Guadalete, não longe da atual localidade de Arcos de la Frontera. É conhecida também como "batalha de Janda". Após o poderoso e aguerrido exército muçulmano, comandado por Tarique (ou Tarik) se ter estabelecido no "Campo de Gibraltar", Rodrigo, o último rei visigodo da Hispânia, reuniu em Córdova mais de 100 mil homens de armas para combater e expulsar os invasores. As circunstâncias em que se desenrolou o combate são ainda hoje obscuras, sabendo-se apenas que terá sido violenta e sangrenta.
A vitória muçulmana, no entanto, não coloca qualquer tipo de dúvidas. Os Visigodos, temendo a islamização da Península, clamaram por Rodrigo, para que, como seu rei, os liderasse e expulsasse os Muçulmanos da região de Gibraltar. A colisão de fações enfraqueceu os Visigodos, que se viram envolvidos numa batalha que se revelaria fatal para o seu destino nacional e civilizacional. O exército visigodo foi praticamente aniquilado pelas forças de Tarique, superiores em número, motivação e estratégia. Também Rodrigo conheceu o trágico e fatal destino que assolou a maior parte dos seus apaniguados de armas. Os poucos sobreviventes fugiram para Norte, impelidos pelo avanço rápido e fulgurante dos Muçulmanos, até se constituírem em focos de resistência na região setentrional da Hispânia, com outros grupos cristãos peninsulares.
Como referenciar: Batalha de Guadalete in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-23 17:41:45]. Disponível na Internet: