Bocage, Alma Sem Mundo

Peça de Luzia Maria Martins, de 1967, não concluída a tempo de estrear aquando da comemoração do bicentenário do nascimento de Bocage, funda-se na estrutura do "teatro narrativo": um narrador apresenta a biografia de Bocage à medida que esta vai sendo representada diante do espectador. Ao mesmo tempo, a narração dobra-se do intuito de evocar o contexto português e mundial seu contemporâneo: três palhaços e três vagabundos evocam ou comentam os acontecimentos, publicações, figuras mais relevantes para a reconstituição do eixo sincrónico em que Bocage desenvolveu o seu talento satírico e amargurado. Misturando o testemunho de documentos da época com os depoimentos de grandes escritores e com os próprios poemas de Bocage, a biografia corporiza "a aventura da razão humana no seu conflito com as sobrevivência do aristocracismo feudal".
Como referenciar: Bocage, Alma Sem Mundo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 12:54:01]. Disponível na Internet: