Chiquinha Gonzaga

Compositora e maestrina brasileira, Chiquinha Gonzaga, nome artístico de Francisca Edwiges Neves Gonzaga, nasceu a 17 de outubro de 1847, no Rio de Janeiro, no Brasil.

Filha de uma família ilustre, Chiquinha Gonzaga foi educada pelo Cónego Trindade e pelo Maestro Elias Lobo. Aos 16 anos, casou-se com um oficial da Marinha Mercante, Jacinto Ribeiro Amaral, com quem teve cinco filhos. Ciumento, o marido obrigou-a a acompanhá-lo nas suas viagens marítimas durante a guerra de Solano Lopes e proibiu a esposa de cultivar o seu gosto musical. Chiquinha abandonou o marido, o que na altura era bastante vergonhoso, e assumiu-se como mulher independente, dado que não tinha vocação para o casamento.
Trabalhou como professora de piano e compôs várias polcas, valsas, tangos e cançonetas que obtiveram grande sucesso. Nessa ocasião, frequentou os ambientes dos músicos de choro (ou seja, de música urbana, tipicamente brasileira, que se tornava conhecida a partir da segunda metade do século XIX), com quem tocou, adaptando o som do piano ao gosto popular. Tornou-se grande amiga do flautista e compositor Calado e relacionou-se amorosamente com o engenheiro boémio João Batista, com quem teve uma filha.

Em 1877, imprimiu a polca Atraente que provocou um grande sucesso em torno da compositora, que decidiu compor para o teatro de variedades.

Participou ativamente, na década de 1880, em movimentos que inflamavam a sociedade da época, como na revolta contra o imposto do vintém nas passagens dos bondes (transportes públicos) e em movimentos a favor da abolição da escravatura e da implantação da República.

Em 1885, estreou a opereta A corte na Roça e tornou-se a primeira compositora brasileira a conseguir encenações para as suas peças, assim como a primeira maestrina. Em 1899, compôs, para o Cordão Rosa de Ouro, a marcha Ó Abre Alas, considerada a primeira peça de música escrita para o Carnaval.

Em 1899, aos 52 anos de idade, Chiquinha Gonzaga envolveu-se numa relação amorosa com outro João Batista, um jovem de 16 anos, que foi apresentado à sociedade como seu filho para evitar constrangimentos, assumindo, mais tarde, publicamente essa relação.

Veio a Portugal pela primeira vez em 1902, voltou em 1904, e finalmente em 1906, permanecendo em Portugal até 1909, o que lhe permitiu desenvolver a sua atividade sobretudo no teatro de revista português.

De regresso ao Brasil, Chiquinha retomou o seu trabalho no teatro brasileiro, alcançando, em 1912, o seu maior êxito com a farsa Forrobodó. O seu popular tango Corta-Jaca, estreado em 1914, no Palácio do Catete, obteve também um grande sucesso.

Em 1917, Chiquinha Gonzaga era a única mulher entre os vinte e um fundadores da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais que lutava pela defesa dos direitos de autores. Em 1933, foi levada ao palco, no Teatro Recreio, a sua última obra original Maria.

A artista compôs músicas para 77 peças de teatro e cerca de 2000 composições. A 28 de fevereiro de 1935, Chiquinha Gonzaga, com 87 anos, faleceu no Rio de Janeiro.


Como referenciar: Chiquinha Gonzaga in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 19:05:47]. Disponível na Internet: