Coruche

Aspetos Geográficos

O concelho de Coruche, do distrito de Santarém, localiza-se na região do Alentejo (NUT II), na Lezíria do Tejo (NUT III). Situado na margem sul do rio Tejo e atravessado pelo rio Sorraia, faz fronteira a norte com a Chamusca e com Almeirim, a sul com o Montijo (distrito de Setúbal) e com Montemor-o-Novo (distrito de Évora), a oeste com Benavente e Salvaterra de Magos e a este com Arraiolos, Mora (distrito de Évora) e Ponte de Sor (distrito de Portalegre).
No total, abrange uma área de cerca de 1120,3 km2, o que lhe confere o título de maior concelho do distrito de Santarém, e é constituído por seis freguesias: Biscainho, Branca, Couço, São José da Lamarosa, Santana do Mato e União das Freguesias de Coruche, Fajarda e Erra.

O natural ou habitante de Coruche denomina-se coruchense.

Do seu património natural são de realçar o Açude de Agolada e o Açude do Monte da Barca, propícios à prática de desportos aquáticos e da pesca.

História e Monumentos

Coruche remonta ao Paleolítico, período do qual existem diversos achados. Também possui vestígios da presença romana. Em 1166 Coruche foi conquistada aos Mouros por D. Afonso Henriques e, mais tarde, foi doada à Ordem de Avis, que construiu um castelo para defender o território. A 26 de maio de 1182 foi-lhe concedido o Foral, originando um forte crescimento populacional e desenvolvimento comercial e agrícola. Durante os séculos XVI, XVII e XVIII a região ganhou importância económica, essencialmente a nível da produção de cortiça e da vinha. O comércio desenvolveu-se devido à navegabilidade do rio Sorraia.

Do ponto de vista cultural, destacam-se no concelho o pelourinho (reconstruído em 1941), a Ponte da Coroa, a Igreja de N. Sra. do Castelo, onde existe um miradouro que proporciona uma vista magnífica sobre o vale do Sorraia, a Igreja de S. Pedro (séc. XVII) e a Igreja de Sto. António (séc. XVII).

Tradições, Lendas e Curiosidades

Em Coruche realizam-se a Feira de S. Miguel, no último fim de semana de setembro; as Festas Populares; e a Festa em Honra de N. Sra. do Castelo, de 6 a 18 de agosto, para além de várias exposições, espetáculos musicais, folclore, atividades desportivas e culturais, largadas de touros e touradas, ao longo do ano.

O feriado municipal coincide com as Festas Populares de Coruche, a 17 de agosto.

A nível de artesanato realizam-se trabalhos em madeira de laranjeira, em vime e em cortiça, bancos e cadeiras em bunho, bordados a ponto de cruz, cestaria em tear manual, artigos em correaria e latoaria, tecelagem e trajes de toureiro.

Economia

A maior parte da população encontra-se empregada no setor primário, relacionado com o cultivo de arroz, milho, tomate, pomares de pessegueiros e citrinos, da vinha, de tabaco, da batata, de culturas hortícolas e de leguminosas, destinadas essencialmente ao autoconsumo. Na produção pecuária dominam os suínos e os ovinos. De salientar, ainda, que a exploração de cortiça é feita predominante em termos florestais.

O setor terciário está ligado ao comércio, aos bancos, aos seguros, aos transportes e às comunicações, à administração pública e aos serviços.

O setor secundário está relacionado com as indústrias de construção e obras públicas, de metalurgia, metalomecânica, de material elétrico, de transportes, de calçado, de vestuário e têxteis, de alimentação e de bebidas, da madeira e da cortiça.
Como referenciar: Coruche in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-18 07:32:13]. Disponível na Internet: