Daniel J. Boorstin

Historiador social norte-americano nascido a 1 de outubro de 1914, em Atlanta, no estado da Georgia, e falecido a 28 de fevereiro de 2004, em Washington.
Filho de imigrantes judeus russos, mudou-se, ainda criança, para Oklahoma onde fez os estudos primários. Estudou leis na Universidade de Harvard e ganhou uma bolsa para prosseguir a aprendizagem em Inglaterra, na Universidade de Oxford, onde se qualificou para advogado. Quando regressou aos Estados Unidos da América doutorou-se em Direito na Universidade de Yale. Conseguiu então um posto no Tribunal do Massachusetts.
Nos anos 30 alistou-se no Partido Comunista, mas mais tarde viria a afirmar publicamente que tal tinha sido um erro. Aliás, em 1953 aceitou denunciar no Congresso antigos colegas do partido, numa altura em que os seus ideais já seguiam uma tendência conservadora. Entretanto, deu aulas em várias universidades, nomeadamente em Harvard e em Chicago. Nesta última lecionou durante 25 anos.
Em 1959 lançou o primeiro volume de uma trilogia dedicada à história social e intelectual norte-americana, que concluiu em 1973. O terceiro volume desta obra, intitulado The Americans: The Democratic Experience, valeu a Boorstin o prémio Pulitzer da área de história.
Em 1962 publicou The Image, uma tese sobre as artes negras e as influências negativas da publicidade e das relações públicas. Este trabalho resultou de um artigo que tinha escrito sobre os debates televisivos de 1960 entre os candidatos à presidência John Kennedy e Richard Nixon.
Em 1969 foi viver para Washington por ter sido nomeado diretor do Museu Nacional de História da América do Instituto Smithsonian. Seis anos mais tarde, foi nomeado bibliotecário da Biblioteca do Congresso, onde esteve até 1987, altura em que se retirou para poder dedicar mais tempo à leitura e à escrita. Durante este período criou um centro de incentivo à leitura e promoveu a renovação do edifício da biblioteca.
Entre 1983 e 1998 publicou outra trilogia, esta dedicada à história das ideias e da tecnologia.
Ao longo da sua carreira examinou aspetos da cultura moderna, nomeadamente a imagem, os não-eventos e as celebridades.
Como referenciar: Daniel J. Boorstin in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-06 19:22:53]. Disponível na Internet: