dativo

Função sintática de objeto indireto desempenhada por uma palavra que serve de complemento a um verbo transitivo indireto. Morfologicamente, em línguas com flexão casual (como o latim, o grego, o alemão moderno, etc.), o dativo é traduzido por uma terminação ou desinência específica, que o distingue dos outros casos.
Em latim, por exemplo, a cada uma das cinco declinações existentes correspondiam seis formas de dativo, distribuídas por género (masculino, feminino e neutro) e número (singular e plural). Assim, por exemplo, o adjetivo <sagrado> possuía as seguintes formas de dativo (a negrito): <sacro> (m. sing.), <sacrae> (f. sing.), <sacro> (neutro sing.), <sacris> (m. pl.), <sacris> (f. pl.) e <sacris> (neutro pl.).
Estas terminações permitem a mobilidade da palavra na frase, uma vez que a função sintática de objeto indireto fica sempre assegurada pela morfologia da palavra, como se pode observar pelo frase seguinte: <tu mihi [compl. indireto] es carus> (tu és querido para mim).
Na passagem para o português, este caso foi substituído por um sintagma preposicional introduzido por <a> ou <para> (telefonar a alguém).
Como referenciar: dativo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-22 04:32:06]. Disponível na Internet: