Dólmenes da Serra de Ossa

Importante núcleo megalítico do Alto Alentejo, localiza-se a cerca de 10 km da vila do Redondo. Compreende vestígios materiais de oito antas ou dólmenes, espalhados por uma encosta da Serra de Ossa. Destaca-se deste agrupamento um subconjunto de cinco exemplares de melhor qualidade. Na vertente setentrional daquela serra, já no concelho de Estremoz, encontra-se um outro núcleo dolménico composto por 14 fragmentos de antas.
O megalitismo é um fenómeno cultural do homem pré-histórico, que empreendeu a construção de monumentos simbólicos, constituídos por grandes blocos de pedra, como forma de realizar rituais mágicos e práticas religiosas, invocando forças da natureza ou prestando culto aos seus antepassados. Neste caso concreto, as antas cumpriam a função de monumentos funerários - sepulcros de enterramento coletivo que se desenvolveram no território nacional entre 4500 e 2500 anos a. C.
Infelizmente, a maioria destas antas do concelho do Redondo foram profanadas e saqueadas pelos caçadores de tesouros, ao mesmo tempo que as atividades agrícolas destruíam parte das suas pesadas estruturas líticas.
O primeiro dos cinco monumentos referenciados é a Anta da Herdade da Candieira, classificada como Monumento Nacional. Trata-se de um dólmen de corredor em xisto com câmara alongada, coberta por laje sustentada em sete esteios. Tem como particularidade um pequeno orifício ovalado, comummente designado por "buraco da alma", o que o torna num raro exemplar. Conserva ainda vestígios da mamoa, montículo de terra que o cobria.
A Anta 1 da Herdade da Colmieira é um dólmen de corredor em granito e que se encontra mal conservado. É constituída por uma câmara poligonal de seis esteios e ainda se encontra coberta por grande laje. Restam também alguns trechos do seu corredor.
Na Herdade das Casas Novas, o destaque vai para a Anta 1. Esta constitui-se como um grande dólmen de corredor feito em granito. A sua câmara poligonal compreende sete esteios, com uma altura máxima de 3 metros e um diâmetro de 4,60 metros, não conservando a sua cobertura. Duas lajes inclinadas servem de porta e fecham a sua entrada. Completa-a longo corredor com mais de 4 metros de comprimento, estando gravadas seis "covinhas" em algumas das placas. Possui ainda desordenados fragmentos de esteios e vestígios da mamoa.
Outra anta classificada como Monumento Nacional é a que se situa na Quinta da Vidigueira. Trata-se, igualmente, de um dólmen de corredor em granito, formado por câmara poligonal de sete esteios, com 3,10 metros de diâmetro e altura máxima de 2,40 metros, mantendo no lugar parte da laje de cobertura. O corredor foi destruído.
Finalmente, a Anta da Herdade do Hospital é um dólmen de corredor, também em granito. De grandes proporções, o monumento encontra-se em ruínas. Contudo, o seu interior ainda se pode reconstituir. É composto por câmara poligonal com 2,40 metros de diâmetro e altura de 2 metros, conservando ainda quatro dos seus esteios. Um dos esteios do acesso à câmara possui várias "covinhas". A laje de cobertura encontra-se inclinada e foi deslocada do seu ponto inicial. Subsistem alguns vestígios do corredor e da mamoa.
Como referenciar: Porto Editora – Dólmenes da Serra de Ossa na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-21 08:58:33]. Disponível em