Eurípides

Trágico grego nascido em 480 a. C. e falecido em 406 a. C. na Macedónia.
Segundo os autores cómicos, a sua mãe teria sido hortaliceira. A verdade, porém, é que teve uma excelente educação complementada com leituras dos filósofos e contactos com pensadores de renome.
Dedicou-se exclusivamente à arte e nunca se preocupou com a política.
O seu carácter solitário e sombrio acentuou-se ainda com os ataques constantes dos autores cómicos e com os frequentes desaires da sua carreira literária.
Da sua obra, uma centena de peças, chegaram até nós dezassete tragédias, tidas como autênticas, das quais as mais célebres são: Alcestes, Medeia, Hipólito, Troianas, Andrómaca, Ifigénia em Áulide e Ifigénia em Táuride. É conhecido também o seu drama satírico Ciclope.
Embora não tenha trazido nada de novo à forma exterior da tragédia, o sistema dramático de Eurípides orienta-se para a variedade e o patético e nisto se distingue dos seus predecessores.
Do ponto de vista da estrutura, as peças de Eurípides são de valor bastante desigual, ou nos dá uma intriga bem ligada, como em Ifigénia em Áulide, como, mais frequentemente, nos fornece um desfiar de quadros independentes e sem nexo, como em Andrómaca.
A separação do coro e da ação é muito clara.
É evidente em Eurípides o desejo de comunicar emoções fortes ao espectador e de o manter em contínuo suspense.
Há uma chamada constante à piedade pela exposição do sofrimento moral, da dor física e da miséria.
Apesar de considerado um inimigo sistemático das mulheres, são os caracteres femininos que ele melhor consegue retratar.
O estilo de Eurípides distingue-se, nas partes líricas, pela sua leveza, quase inconsistência; nos diálogos da ação, pela linguagem simples, coloquial.
Eurípides viveu numa altura em que o poder de Atenas diminuía, a democracia se transformava em demagogia, e o ceticismo se espalhava através do ensino dos sofistas. Eurípides procurava, pela boca das suas personagens, contrariar estas tendências, com as suas ideias pessoais e ousadas.
As suas convicções religiosas não são tão fortes como as dos seus predecessores, mas é um defensor convicto da democracia.
Como referenciar: Porto Editora – Eurípides na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-26 03:03:46]. Disponível em