Expansão do Império Muçulmano

A sucessão de Maomé foi muito discutida. Era preciso, para manter a unidade da fé, uma califia único que fosse reconhecido por todo o mundo árabe. Depois de violentas lutas, Abu Bakr foi eleito califa no ano de 632. Desde este ano até 661, decorre o grande período de conquista e estabelecimento do domínio árabe. Convertida definitivamente a Arábia, a Guerra Santa estende-se pela Caldeia, Iraque e Síria.
A crítica situação do califado, abalado por terríveis sacudidelas políticas, contrastava com a notável expansão árabe. A dinastia dos Omíadas fundou o imenso império árabe e conquistou para esta raça o prestígio de que sempre gozou no Mundo. Moaviah, ao chegar ao califado, introduziu mudanças profundas na organização do império árabe. A capital foi transferida para Damasco e declarou o califado hereditário. O seu governo durou de 661 a 680, ficando célebre pela prosperidade e paz que soube dar ao povo. O império dos Omíadas abarcava desde as Índias até às Gálias. Em 750 a dinastia Omíada foi destronada pelos Abássidas.
Os reinados dos Abássidas emancipam províncias do califado; e criam dinastias novas, como as dos Aglábidas (800).
Em 1258, o califado abássida é derrotado, e os califas ficam sob a alçada dos sultões mamelucos do Egito. A sua autoridade nunca mais voltaria a ser a mesma.
Como referenciar: Expansão do Império Muçulmano in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 17:11:05]. Disponível na Internet: