Filipinas

Geografia
País formado por um arquipélago com 7100 ilhas, no Oeste do oceano Pacífico. As ilhas estendem-se desde as proximidades da ilha de Taiwan, a norte, até à ilha de Bornéu, a sudoeste, sendo banhadas pelo mar da China Meridional, a noroeste, pelo mar das Celebes, a sul, e pelo mar das Filipinas, a leste. As ilhas das Filipinas abrangem uma área total de 300 000 km2. As duas principais ilhas são Lução, a norte, com 104 688 km2, e Mindanau, a sul, com 94 630 km2. As principais cidades são Manila, a capital, com uma população de 10 330 100 habitantes (2004) e uma área metropolitana de 14 083 300, Davao (951 000 hab.), Cebu (776 600 hab.) e Zamboanga (163 700 hab.).
Existem mais de 30 vulcões em atividade e alguns têm tido erupções muito violentas nos últimos anos. Os terramotos também são comuns. Ao largo da costa leste das Filipinas, próximo da ilha de Mindanau, o movimento da crusta terrestre criou uma das fossas submarinas mais profundas, que desce até aos 11 520 metros (Fossa do Mindanau).
Clima
O clima é tropical de monção, com variações de temperatura que ficam a dever-se à altitude. Entre junho e dezembro, há o risco dos tufões, em que os ventos podem atingir os 300 km/h. De facto, nas planícies o clima é quente e húmido mas nas montanhas as temperaturas são consideravelmente mais baixas.

Economia
A economia das Filipinas baseia-se na agricultura, nas indústrias transformadoras e nos serviços. Mesmo com uma irrigação insuficiente, mais de 1/4 da terra é arável graças à intervenção do Governo e da comunidade internacional. As culturas mais importantes são o arroz, o coco, o milho, a cana-de-açúcar, a banana, o ananás, a manga, a mandioca, o tabaco e o café. O país é rico em recursos minerais, especialmente em ouro, prata, ferro, cobre, chumbo, cromite, níquel e manganésio. A indústria manufatureira engloba os produtos eletrónicos, alimentares, petrolíferos e químicos, bem como o vestuário, o calçado e os periféricos de computadores. Os principais parceiros comerciais das Filipinas são os Estados Unidos da América, o Japão, Singapura e a Holanda.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita (toneladas métricas, 1999), é de 1,0.

População
Com uma população de 89 468 677 habitantes (2006), as Filipinas, registam uma densidade populacional de aproximadamente 292,86 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 24,89%o e 5,41%o. A esperança média de vida é de 70,21 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,751 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,748 (2001). Estima-se que, em 2025, a população seja de 121 982 000 habitantes. Das 7100 ilhas das Filipinas, apenas 400 são habitadas. Existem vários grupos étnicos, mas os maiores são o Tagalog (29%), o Cebuano (23%), o Ilokano (9%) e o Hiligaynon (9%). As religiões com maior expressão são a católica, com 83%, seguida da protestante (9%), da muçulmana (5%), budista e outras (3%). As línguas oficiais são o inglês e o tagalog (filipino).

História
Em 1898, começou a Guerra Hispano-Americana, que durou quatro meses, devido à opressão espanhola em Cuba. Uma esquadra norte-americana destruiu a frota espanhola na baía de Manila. Ocuparam o território com a ajuda dos filipinos, uma vez que já se encontravam em estado de revolta contra o Governo espanhol. Os EUA "compraram" as ilhas à Espanha por 20 milhões de dólares. As agitações nacionalistas iniciaram-se e, em 1936, foi formada a Comunidade das Filipinas (de transição semi-independente). Na Segunda Guerra Mundial, o país lutou ao lado dos norte-americanos contra os japoneses e, em 1946, conquistou a independência.
Em 1965, Ferdinando Marcos foi o primeiro presidente eleito e, em 1972, declarou a lei marcial. Em 1981, o presidente pôs fim à lei marcial mas continuou à frente de um regime ditatorial. O assassinato do líder da oposição Benigno Aquino, em 1983, foi decisivo para a revolta que derrubou Ferdinando Marcos do Poder em 1986. A viúva de Benigno, Corazón Aquino, tornou-se presidente do país nesse mesmo ano, instituindo a democracia. Durante esse período, várias fações do exército e a guerrilha comunista tentaram cinco golpes de Estado. Em 1992, as eleições livres deram a presidência a Fidel Ramos que governou até 1998 com o Congresso e com duas assembleias: o Senado e a Câmara de Representantes. Após a presidência de Joseph Estrada, considerado pouco competente, em 2001 foi eleita presidente Gloria Macapagal Arroyo. Como hábil economista que é, criou no povo grandes expectativas que gradualmente estão a diminuir.
Como referenciar: Filipinas in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-04-23 05:33:15]. Disponível na Internet: