Fronteira


Aspetos Geográficos
O concelho de Fronteira, do distrito de Portalegre, localiza-se no Alentejo (NUT II), no Alto Alentejo (NUT III). Ocupa uma área de 248,5 km2 e abrange três freguesias: Cabeço de Vide, Fronteira e São Saturnino.
O concelho encontra-se limitado a norte pelo concelho de Alter do Chão, a este por Monforte, a sul por Estremoz (distrito de Évora) e Sousel e a oeste por Avis. O concelho apresentava, em 2005, um total de 3471 habitantes.
O natural ou habitante de Fronteira denomina-se fronteirense.
Possui um clima marcadamente mediterrânico, caracterizado por uma estação seca bem acentuada no verão. A precipitação ronda os 500 mm entre os meses de outubro e março e os 170 mm no semestre mais seco.
O edificado estende-se por um terreno ondulado, na margem esquerda da ribeira de Avis. O terreno é pouco acidentado, sendo somente de destacar os montes, Banamar (253 m) e Branco do Mato (254 m).
Como recursos hídricos, possui a ribeira de Carvalho, a ribeira de Chaminé, a ribeira de Vide, a ribeira Grande, a ribeira de Ana Louro, a ribeira da Aldeia e a ribeira de Juncal.

História e Monumentos
Fronteira foi fundada por D. Sancho II, em 1226, havendo indícios de ocupação romana. A 6 de abril de 1384, no local pantanoso de Atoleiros, travou-se uma batalha entre as tropas de Castela e de Portugal, sendo as de Portugal comandadas por D. Nuno Álvares Pereira. Os portugueses saíram vitoriosos, graças à estratégia elaborada por D. Nuno Álvares Pereira ao utilizar uma nova técnica defensiva, introduzida na Europa com a Guerra dos Cem Anos, em que se formou um quadrado eriçado de lanças, onde se "cravavam" os inimigos.
Ao nível do património monumental e arquitetónico, destacam-se a Igreja Matriz, datada de 1594, que possui três naves assentes em arcos redondos sobre pilares quadrangulares e apresenta altares de mármore. A Igreja do Espírito Santo, datada de 1573, que apresenta um pórtico da Renascença. A Torre do Relógio, construída em 1613 e restaurada em 1873 e que é de coruchéu azulado. A Igreja do Senhor dos Mártires, que apresenta um altar-mor de mosaico com colunas salomónicas de mármore. É de destacar também a Igreja da Senhora da Vila Velha, que possui azulejos policromos do século XVII, os Paços do Concelho e as casas-moradia do século XVIII, com uma sacada de ferro forjado e lavrado e de janelas duplas.

Tradições, Lendas e Curiosidades
São diversas as manifestações populares e culturais no concelho: a festa da Senhora das Candeias, no Cabeço de Vide, a 2 de fevereiro; o feriado municipal e a comemoração da batalha dos Atoleiros, no dia 6 de abril; a festa da Santa Cruz Fronteira, a 2 de maio; a Feira de S. Pedro, a 29 de junho; e as festas populares de Vale de Maceiras, em julho.
Como personalidades ilustres ligadas a Fronteira, destacam-se: Frei Manuel Cardoso (1566-1650), compositor, natural do concelho, que marcou a história da cultura musical portuguesa nos séculos XVI e XVII. Tem publicados seis livros, sendo quatro de missas, um de "Magnificas" e outro da Semana Santa; Cândido de Oliveira, órfão, cresceu na Casa Pia e ajudou a fundar o Casa Pia Atlético Clube. Foi jogador e "capitão" da primeira Seleção Nacional, selecionador nacional, treinador do Belenenses, dos "violinos" do Sporting, do F. C. Porto e da Associação Académica de Coimbra. Fundou em 1945, com Ribeiro dos Reis e Vicente de Melo, o jornal A Bola; e o Padre Francisco Lopes, que faleceu em Fremona, na Abissínia, a 15 de maio de 1597, com 80 anos e que foi missionário na Etiópia durante 40 anos.
São três as lendas mais conhecidas na região: a da moura encantada, a de S. Bento das Lapas e a da Batalha dos Atoleiros. Reza esta última lenda que, durante a batalha dos Atoleiros, os soldados beberam água do ribeiro que corria perto e que estava manchado de sangue dos que ali caíam mortos. O ribeiro é ainda hoje apelidado de "Ribeiro das Águas Belas" e, a mando de Nuno Álvares Pereira, foi ali colocada uma bilha com água para saciar quem passa.

Economia
No concelho predominam as atividades ligadas aos setores terciário e primário. O setor secundário tem um peso insignificante.
No que se refere à agricultura destacam-se os cultivos de cereais para grão, os prados temporários e culturas forrageiras, as culturas industriais, o pousio, o olival, os prados e pastagens permanentes. A pecuária tem também alguma importância, nomeadamente na criação de suínos, ovinos e bovinos.
Cerca de 14% (710 ha) do seu território está coberto de floresta.
Como referenciar: Fronteira in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-09 21:13:07]. Disponível na Internet: