Herlander Peyroteo

Realizador de televisão português, Herlander Peyroteo nasceu a 11 de agosto de 1929, em Moçâmedes, Angola, e morreu a 18 de abril de 2002, em Lisboa, vítima de doença prolongada. Quando vivia na ex-colónia portuguesa começou a dedicar-se ao teatro amador, o que se manteve na sua juventude, altura em que foi viver para Portugal. Acabou por se formar em arquitetura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, mas também frequentou o Conservatório Nacional.
Nos anos 50, fundou o Teatro Universitário de Lisboa juntamente com Fernando Amaro, o criador da Casa da Comédia, a quem tinha sido recomendado por Almada Negreiros. Mais tarde, viria a fundar com o produtor Cunha Telles o Estúdio Universitário de Cinema Experimental.
Herlander Peyroteo foi um dos fundadores da Radiotelevisão Portuguesa, depois de ter feito um estágio na BBC de Londres, de onde regressou já com um contrato provisório assinado com a estação pública de Portugal. Na televisão portuguesa, que arrancou com as emissões em 1957, destacou-se como realizador, tendo sido um dos mais conhecidos do país nesta área. A sua especialidade era os teledramáticos, uma espécie de teatro televisivo. Realizou perto de cem programas deste género, muitos deles em as "Noites de Teatro", que eram gravadas em direto nos tempos iniciais da televisão estatal. Um dos melhores trabalhos de Peyroteo foi feito em 1961, quando realizou a peça teatral Pedro, o Cru, de António Patrício. O seu trabalho foi bastante elogiado, especialmente a nível de planificação técnica e de direção de pessoal, já que lidou com cerca de 150 figurantes e intérpretes num espaço relativamente pequeno. Herlander Peyroteo conquistou, em 1962, o Prémio da Imprensa pelo seu trabalho de realização na televisão.
Em 1970, fez mais um excelente trabalho televisivo com A Castro, que foi considerada a peça do ano na televisão. Tratava-se de um teledramático com a participação do ator Ruy de Carvalho. Neste ano, conquistou o Prémio Fernando Frazão.
Em 1977, foi nomeado responsável pelo setor de produção e realização do 1.º canal da RTP, mas a nomeação não foi aceite pelo administrador Raul Junqueiro que alegou não ter tido conhecimento dessa decisão. De qualquer forma, no ano seguinte, acabou por ficar a liderar o Departamento de Realização da RTP, isto no ano em que realizou Os Putos, baseado na obra com o mesmo nome do escritor Altino do Tojal. Foi considerado um dos melhores trabalhos de teleteatro da televisão portuguesa.
Herlander Peyroteo também realizou alguns filmes para cinema, com destaque para Um Campista em Apuros, em 1967, com Florbela Queirós, Manuel Cavaco e Nicolau Breyner. A estreia tinha ocorrido em 1961 com O Velho e a Moça.
Herlander Peyroteo esteve na RTP até 1997, altura em que se reformou. Viria a falecer em 2002 com 72 anos de idade.
Como referenciar: Herlander Peyroteo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-12 14:53:52]. Disponível na Internet: