Holden Roberto

Dirigente nacionalista angolano, Álvaro Holden Roberto nasceu em 1923 e faleceu a 2 de agosto de 2007, em Luanda.
Iniciou a sua atividade política, a 7 de julho de 1954, com a criação da União dos Povos do Norte de Angola (UNPA), em Matadi (República Democrática do Congo) e, mais tarde, a 28 de novembro de 1958, nomeada União das Populações de Angola (UPA). Em 1960, após seis meses de acordo com o MPLA, Holden Roberto decidiu tomar sozinho a liderança contra o colonialismo português. A 15 de março, no norte de Angola, deu início ao seu maior ato sanguinário através de assaltos às fazendas de café e de mortes indistintas de 1800 colonos brancos e de 8000 trabalhadores bailundos negros. Toda a luta anti-colonial foi, por consequência, penalizada.
A 27 de março de 1962, Holden Roberto criou a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), da qual se tornou presidente, e que teve na sua formação o UPA e o Partido Democrático de Angola (PDA). Faltando ao FNLA uma máquina governamental que administrasse a luta política, militar, social, cultural e diplomática, foi constituído o Governo Revolucionário de Angola no Exílio (GRAE), a 5 de abril de 1962, presidido por Holden Roberto como Primeiro-Ministro. A 26 de agosto de 1962, é formado o Exército de Libertação Nacional de Angola (ELNA), instalado na República do Congo Democrático, sendo o primeiro chefe do Estado Maior José Kalundungu. Apesar de ter recebido armas dos países de Leste, Holden Roberto manteve sempre uma ligação com os EUA, que lhes forneceram conselho técnico e uma avença anual. O FNLA continuou a sua atividade contra o poder colonial português até 11 de julho de 1974, altura em que foi decretado a Cessação das Hostilidades.
Em 1991, Holden Roberto regressou a Angola e, após uma reestruturação e instalação oficial em Angola do FNLA, foi reeleito presidente do movimento.
Como referenciar: Holden Roberto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-11-18 16:48:09]. Disponível na Internet: