Igreja de Santa Maria Maior

A Igreja Matriz de Chaves, dedicada a Santa Maria Maior, remonta ao tempo da formação da Nacionalidade, mas viria a sofrer grandes mutações no século XVI, sob o pano de fundo da estética renascentista. No solo dela estão sepultados os irmãos Rui e Garcia Lopes, cavaleiros que alcançaram a conquista definitiva de Chaves aos Mouros em 1160.
A fachada, desornamentada, possui torre sineira coberta por coruchéu piramidal e rasgada por dois arcos de volta perfeita. Sob esta conservou-se o original portal românico de arquivolta dupla e delimitada por molduras boleadas, com ornatos fitomórficos esculpidos. As duas arquivoltas assentam em quatro colunelos sobrepujados por capitéis esculpidos. O tímpano, liso, é já alvo de reconstrução posterior. Ladeando este portal, na fachada norte rasga-se um outro, renascença, de elegantes e harmoniosas proporções, testemunha indelével dos novos ecos da estética italianizante. Este é enquadrado por duas pilastras assentes em base de secção retangular moldurada, rematadas por capitéis vegetalistas. No corpo das pilastras encontra-se decoração de grotescos e elementos fitomórficos. O entablamento, com friso de enrolamentos vegetalistas, é enquadrado por duas carrancas e sobrepujado por cornija rematada por frontão triangular. De destacar os bustos de S. Pedro e de S. Paulo, em alto-relevo, no tímpano do portal, enquadrado por arco pleno.
A abside, poligonal, apresenta os seus ângulos apoiados por possantes contrafortes. Numa das suas paredes (nascente), no alto de um nicho escavado, repousa uma das mais antigas esculturas portuguesas - a padroeira Santa Maria Maior -, sobrepujada por duas gárgulas remanescentes do templo medieval.
O interior, pese embora a remodelação quinhentista, conserva um certo primitivismo indubitavelmente conferido pela rudeza da pedra. Possui três naves de cinco tramos divididas por quatro colunas cilíndricas, onde repousam os arcos de volta perfeita. A cobertura é de madeira, rasgada por clerestório de limitadas dimensões, exceto na capela-mor, coroada por abóbada pétrea polinervurada, delimitada por um arco triunfal apontado. Sobre o sacrário surge imagem de Cristo Crucificado. Ladeando a capela-mor encontram-se duas absidíolas, cuja iluminação se deve ao coroamento de lanternins.
Como referenciar: Igreja de Santa Maria Maior in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-20 17:40:01]. Disponível na Internet: