Ivan Lins

Ivan Guimarães Lins nasceu no Rio de Janeiro a 16 de junho de 1945, filho do militar Geraldo Lins e de Leia Guimarães Lins. Aos 2 anos de idade, mudou-se com a família para Massachusetts, nos EUA, onde residiu durante três anos. Findo esse período, a família Lins regressa ao Brasil e o jovem Ivan é matriculado no Colégio Militar, onde, aos 12 anos, teve o seu primeiro contacto com a música, colaborando com a banda do colégio. Aos 18 anos, apenas pela audição das suas músicas preferidas, foi aprendendo piano, passando a tocar jazz e bossa nova.

Em 1968, chegou à final do Festival Universitário da TV Tupi com a música "Até o amanhecer". Terminou a formatura em Química Industrial, em 1969, e, no mesmo ano, Elis Regina gravou com enorme êxito a canção "Madalena", de sua autoria.
No ano seguinte, obteve o segundo lugar no V FIC cantando "O amor é o meu país", música usada nos aviões da Varig em voos internacionais. Por esta altura, foi convidado, na companhia de Aldir Blanc, Gonzaguinha e outros, para coordenar o programa "Som Livre Exportação", da TV Globo.

Em 1974, lançou o álbum Modo Livre, pela RCA, com o sucesso "Abre Alas". Este disco deu início à parceria com o letrista Victor Martins. No ano seguinte, ainda pela RCA, lançou Chama Acesa. Em 1977, conseguiu outro grande sucesso com a musica "Somos Todos Iguais Esta Noite", lançada em disco homónimo pela Odeon. Um ano depois, lançou o LP Nos Dias de Hoje e, em 1979, A Noite, ambos pela Odeon. No início da década de 1980, a música "Começar de Novo" (composta em 1979 com Victor Martins) obteve êxito numa interpretação de Simone. Também nessa altura, fez sucesso com o LP Novo tempo (Odeon). Transferiu-se em 1981 para a Polygram e lançou dois discos Daquilo Que Eu Sei (1981) e Depois Dos Temporais (1983).

A partir de 1985, passou a gravar nos EUA e a realizar tournées internacionais. A repercussão alcançada levou-o a criar uma editora nos EUA, a Dinorah Music, ligada à produtora de Quincy Jones. Com o reconhecimento internacional, as suas músicas foram gravadas por George Benson, Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, entre outros. Em 1989 gravou pela WEA o disco Love Dance, todo em inglês. Nesse mesmo ano, lançou no Brasil o disco Amar Assim.

Para comemorar os 20 anos de carreira, em 1990, realizou uma digressão pelo Brasil, registada no disco Ivan Lins: 20 anos. Em 1991, criou a editora Velas, envolvendo o seu amigo, parceiro e sócio Victor Martins, com o objetivo exclusivo de lançar novos talentos e de resgatar as raízes da música brasileira. Como produtor e empresário, lançou cantores como Chico César, Lenine e Belô Veloso.

Em 1993 lançou no Brasil e nos EUA, Japão e Europa, o CD Awa Yio, em parceria com Victor Martins, tendo a música "Meu País" obtido grande sucesso. Em 1995, lançou o CD Anjo De Mim, uma vez mais com músicas em parceria com Victor Martins. No ano seguinte, gravou com a banda Irakere o disco Ao Vivo Em Cuba.

Em 1997 lançou o CD duplo Vivanoel - Tributo a Noel Rosa, com a participação de diversos convidados, entre eles Caetano Veloso e Chico Buarque. Ainda em 1997, Ivan foi nomeado para os prémios Grammy, pelo álbum The Heart Speaks, gravado com o trompetista Terence Blanchard. Neste mesmo ano atuou nalguns dos mais conceituados palcos mundiais, como o Royal Festival Hall, em Londres, o Hollywood Bowl e o Festival de Jazz de Monterey.

Dois anos mais tarde, outro registo ao vivo Ivan Lins At MCG (1999), gravação do concerto célebre dado em setembro de 1997 em Pittsburgh, nos EUA.

Em 2000, volta aos trabalhos de estúdio com A Cor do Pôr do Sol, onde conta com a colaboração de Caetano Veloso, num disco de parcerias, com 15 faixas, apenas duas com letras de Victor Martins. No ano seguinte, Ivan Lins homenageia Tom Jobim em Jobiniando.


Como referenciar: Ivan Lins in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 17:15:44]. Disponível na Internet: