Ivan Lins

Ivan Guimarães Lins nasceu no Rio de Janeiro a 16 de junho de 1945, filho do militar Geraldo Lins e de Leia Guimarães Lins. Aos 2 anos de idade, mudou-se com a família para Massachusetts, nos EUA, onde residiu durante três anos. Findo esse período, a família Lins regressa ao Brasil e o jovem Ivan é matriculado no Colégio Militar, onde, aos 12 anos, teve o seu primeiro contacto com a música, colaborando com a banda do colégio. Aos 18 anos, apenas pela audição das suas músicas preferidas, foi aprendendo piano, passando a tocar jazz e bossa nova.

Em 1968, chegou à final do Festival Universitário da TV Tupi com a música "Até o amanhecer". Terminou a formatura em Química Industrial, em 1969, e, no mesmo ano, Elis Regina gravou com enorme êxito a canção "Madalena", de sua autoria.
No ano seguinte, obteve o segundo lugar no V FIC cantando "O amor é o meu país", música usada nos aviões da Varig em voos internacionais. Por esta altura, foi convidado, na companhia de Aldir Blanc, Gonzaguinha e outros, para coordenar o programa "Som Livre Exportação", da TV Globo.

Em 1974, lançou o álbum Modo Livre, pela RCA, com o sucesso "Abre Alas". Este disco deu início à parceria com o letrista Victor Martins. No ano seguinte, ainda pela RCA, lançou Chama Acesa. Em 1977, conseguiu outro grande sucesso com a musica "Somos Todos Iguais Esta Noite", lançada em disco homónimo pela Odeon. Um ano depois, lançou o LP Nos Dias de Hoje e, em 1979, A Noite, ambos pela Odeon. No início da década de 1980, a música "Começar de Novo" (composta em 1979 com Victor Martins) obteve êxito numa interpretação de Simone. Também nessa altura, fez sucesso com o LP Novo tempo (Odeon). Transferiu-se em 1981 para a Polygram e lançou dois discos Daquilo Que Eu Sei (1981) e Depois Dos Temporais (1983).

A partir de 1985, passou a gravar nos EUA e a realizar tournées internacionais. A repercussão alcançada levou-o a criar uma editora nos EUA, a Dinorah Music, ligada à produtora de Quincy Jones. Com o reconhecimento internacional, as suas músicas foram gravadas por George Benson, Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, entre outros. Em 1989 gravou pela WEA o disco Love Dance, todo em inglês. Nesse mesmo ano, lançou no Brasil o disco Amar Assim.

Para comemorar os 20 anos de carreira, em 1990, realizou uma digressão pelo Brasil, registada no disco Ivan Lins: 20 anos. Em 1991, criou a editora Velas, envolvendo o seu amigo, parceiro e sócio Victor Martins, com o objetivo exclusivo de lançar novos talentos e de resgatar as raízes da música brasileira. Como produtor e empresário, lançou cantores como Chico César, Lenine e Belô Veloso.

Em 1993 lançou no Brasil e nos EUA, Japão e Europa, o CD Awa Yio, em parceria com Victor Martins, tendo a música "Meu País" obtido grande sucesso. Em 1995, lançou o CD Anjo De Mim, uma vez mais com músicas em parceria com Victor Martins. No ano seguinte, gravou com a banda Irakere o disco Ao Vivo Em Cuba.

Em 1997 lançou o CD duplo Vivanoel - Tributo a Noel Rosa, com a participação de diversos convidados, entre eles Caetano Veloso e Chico Buarque. Ainda em 1997, Ivan foi nomeado para os prémios Grammy, pelo álbum The Heart Speaks, gravado com o trompetista Terence Blanchard. Neste mesmo ano atuou nalguns dos mais conceituados palcos mundiais, como o Royal Festival Hall, em Londres, o Hollywood Bowl e o Festival de Jazz de Monterey
.

Dois anos mais tarde, outro registo ao vivo Ivan Lins At MCG (1999), gravação do concerto célebre dado em setembro de 1997 em Pittsburgh, nos EUA
.

Em 2000, volta aos trabalhos de estúdio com A Cor do Pôr do Sol, onde conta com a colaboração de Caetano Veloso, num disco de parcerias, com 15 faixas, apenas duas com letras de Victor Martins. No ano seguinte, Ivan Lins homenageia Tom Jobim em Jobiniando
.


Como referenciar: Porto Editora – Ivan Lins na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-17 03:14:53]. Disponível em