Artigos de apoio

Jack Cardiff
Diretor de fotografia e realizador inglês, Briton Jack Cardiff nasceu a 18 de setembro de 1914, em Yarmouth, Norfolk.
Tendo crescido numa família ligada ao teatro, descobriu cedo a sua paixão pelo mundo do espetáculo e, aos 14 anos, decidiu que queria fazer carreira na indústria cinematográfica. Trabalhou como rapaz de recados nos Estúdios Internacionais Elstree e foi o quarto assistente de direção no filme The Informer (1929), realizado por Arthur Robison. Mais tarde, foi assistente de câmara nos Estúdios Denham e, em 1936, optou por ser uma das primeiras pessoas a estudar as técnicas do Technicolor, dos filmes a cores.
Foi operador de câmara no primeiro filme Technicolor feito em Inglaterra: Wings of the Morning (1937). Trabalhou depois em diversas curtas-metragens e documentários e, em 1942, estreou-se como diretor de fotografia na sua primeira longa-metragem, o drama musical The Great Mr. Handel, de Norman Walker. Quatro anos depois, trabalhou com Michael Powell e Emeric Pressburger em A Matter of Life and Death (Caso de Vida ou Morte, 1946), um filme de fantasia protagonizado por David Niven. No ano seguinte, colaborou novamente com a mesma dupla em Black Narcissus (Por Quem os Sinos Dobram, 1947), adaptação da obra de Rumer Godden, um drama com o qual ganhou o Óscar e o Globo de Ouro de Melhor Fotografia.
Voltou a colaborar pela última vez com os dois realizadores em The Red Shoes (Sapatos Vermelhos, 1948), um fabuloso drama musical baseado na fábula de Hans Christian Andersen.
Seguiram-se Under Capricorn (Sob o Signo do Capricórnio, 1949), onde trabalhou com Alfred Hitchcock, protagonizado por Ingrid Bergman, e o clássico de John Huston The African Queen (A Rainha Africana, 1951), um filme de aventuras com Humphrey Bogart e Katharine Hepburn nos principais papéis.
Em 1954, trabalhou em The Barefoot Contessa (A Condessa Descalça), a obra-prima de Joseph L. Mankiewicz. No ano seguinte, colaborou com King Vidor no seu épico War and Peace (Guerra e Paz), pelo qual é novamente nomeado para o Óscar de Melhor Fotografia, recebendo o prémio de Melhor Fotografia da Sociedade Britânica de Diretores de Fotografia. Segue-se a comédia romântica The Prince and the Showgirl (O Príncipe e a Corista, 1957), de Laurence Olivier, uma comédia romântica com Marilyn Monroe.
Realizou a sua primeira longa-metragem em 1958: o thriller de série B Intent to Kill. No ano seguinte, voltou a experimentar essa sensação em Beyond this Place. Em 1960, realizou o drama aclamado pela crítica Sons and Lovers, com Trevor Howard no principal papel, pelo qual foi nomeado para o Óscar de Melhor Realizador, recebendo o Globo de Ouro da mesma categoria.
Em 1961, voltou a receber a nomeação para o Óscar de Melhor Fotografia pelo seu trabalho em Fanny, um drama romântico de Joshua Logan.
Realizou ainda The Long Ships (Gigantes do Mar, 1963); Young Cassidy (1965); The Mercenaries (1968) e The Girl on a Motocycle (1968).
Em 1978, trabalhou com John Guillermin na adaptação do romance de Agatha Christie Death on the Nile (Morte no Nilo, 1978), com Peter Ustinov no papel do famoso detetive belga Hercule Poirot.
Em 1996, Cardiff publicou a sua autobiografia intitulada Magic Hour.
Em 2001, recebeu um Óscar honorário da Academia de Hollywood pela sua contribuição para a arte cinematográfica.
Como referenciar: Jack Cardiff in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-12-12 02:42:07]. Disponível na Internet: