jazigos minerais por evaporação do dissolvente

Os jazigos sedimentares de origem química correspondem aos depósitos em águas marinhas - e, por vezes, lacustres - de matérias em condições especiais de salinidade, temperatura e concentração de elementos metálicos. São fundamentalmente depósitos obtidos de soluções muito concentradas, onde o conteúdo em elementos metálicos é muito significativo. Estes elementos podem resultar da ação da água, que os transporta para cursos de água e para o mar, ou ser procedentes de erupções submarinas. Os evaporitos têm este tipo de génese e correspondem a concentrações de sais, sulfatos ou carbonatos de elementos, em geral, alcalinos. Os mais importantes, pela sua quantidade, são o anidrito e o sal-gema. Formados por este processo são de destacar os jazigos de ferro sedimentares como os do Zimbabwe e da África do Sul, que são os maiores do mundo, tanto em produção como em reservas. Apresentam-se constituídos por estratos muito finos de ferro, frequentemente oolíticos ou alternando com níveis de outra composição, como o sílex. O conjunto pode atingir elevada espessura. Outros jazigos minerais que se formaram em regiões de albufeiras ou mares fechados com composição química anómala das suas águas são os jazigos de sulfuretos, como, por exemplo, os de esfarelite, pirite e galena, e os jazigos de carbonetos, como, por exemplo, os de siderite.
Muitos jazigos minerais metálicos que foram interpretados com tendo uma génese hidrotermal foram reinterpretados como de origem sedimentar.
Como referenciar: jazigos minerais por evaporação do dissolvente in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-22 01:46:39]. Disponível na Internet: