Julius Kambarage Nyerere

Presidente da Tanzânia (1922-1999) entre 1962 e 1985, filho de um chefe da tribo Butiama da Tanganyika britânica. Nyerere foi formado para se tornar um professor e em África é conhecido como Swahili ("O Professor"). Em 1954 trocou o ensino pela carreira política e fundou a União Nacional Africana da Tanganyika (TANU), vindo a tornar-se primeiro-ministro da Tanganyika quando esta conheceu a independência em 1961. Abandonou este cargo em 1962 para se empenhar na reestruturação do partido. As eleições de 1962 consagraram-no presidente da República e em 1964, após uma revolta na ilha de Zanzibar, uniu os dois países sob a sua presidência.
Como defensor do movimento de libertação da África, proporcionou asilo na Tanzânia a membros do Congresso Nacional Africano e a inúmeros outros grupos rebeldes africanos de países como Angola, Moçambique, Zimbabwe e Uganda. Também ajudou a promover a língua e a cultura africanas, nomeadamente o uso da língua Swahili, fazendo do seu país o único a usar como língua oficial a linguagem nativa africana. Nyerere deu igualmente grande importância à familiaridade (ujamaa) como forma privilegiada de sociabilização.
Em 1985 deixou a presidência, mas continuou à frente do partido até 1990 e manteve-se ativo na política internacional.
Como referenciar: Julius Kambarage Nyerere in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-04-18 12:09:18]. Disponível na Internet: