Migrações Bantus

O povo Bantu compreende na atualidade um vasto grupo etno-linguístico africano, estando mais identificado com uma proximidade linguística do que por uma identidade cultural. O conjunto de línguas descendentes do povo Bantu são o Xhosa, o Quicuio e o Zulo (do quicongo zulu, «céu») na ramificação linguística do Este (Zimbabwe e Moçambique), e a linguagem dos povos de Herero e de Tonga na ramificação do Oeste (Angola, Namíbia e Botswana), entre os idiomas com maior número de falantes.

Este povo, oriundo dos Camarões, iniciou por volta do ano 1000 a. C. um movimento migratório que o levou para além dos seus assentamentos agrícolas e o trouxe até ao Centro, o Este e o Sul da África, chegando até ao Sudoeste da Costa Sul Africana nos séculos III e IV d. C.

Esta expansão territorial era usualmente designada como as "Migrações Bantus", todavia nos nossos dias especilistas de diversas áreas das Ciências Sociais chegaram à conclusão de que é mais correto referi-las como movimentos esporádicos de um número restrito de indivíduos à procura de novas terras, que absorviam as populações nativas de caçadores-recoletores com quem contactavam. O motivo deste êxodo poderá encontrar-se no aumento populacional, resultante de um desenvolvimento de novas técnicas de cultivo e de novos produtos, bem como da introdução de instrumentos de ferro, que possibilitaram uma alimentação mais equilibrada.


Como referenciar: Migrações Bantus in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-16 04:00:17]. Disponível na Internet: