Nova Iorque

Aspetos Geográficos
A cidade de Nova Iorque fica situada no sudeste do estado com o mesmo nome, na foz do rio Hudson, e a sua superfície total é de 800 km2. Está dividida em cinco distritos: Bronx, Brooklyn (a maior aglomeração urbana de todas), Queens, Manhattan e Staten Island (que é o menos urbanizado). A cidade alberga cerca de 8 milhões de habitantes dos quais 52% são brancos, 29% negros, 7% asiáticos e oriundos de ilhas do Pacífico e os restantes 12% de outras etnias. Uma boa parte destes habitantes são de origem hispânica, mais concretamente 24% da população da cidade. Atualmente, recebe muitos emigrantes procedentes da ex-URSS.
O natural ou habitante de Nova Iorque denomina-se nova-iorquino ou noviorquino.
História e Monumentos
Nova Iorque constituiu a porta de entrada para os Estados Unidos da América dos emigrantes vindos inicialmente da Europa e China e mais tarde de outras partes da Ásia. Mas a região da baía com o mesmo nome já era habitada há vários séculos por tribos indígenas. Em 1624 a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais estabeleceu aí uma colónia que então se chamava Nova Holanda. Em meados do século XVII a colonização da ilha de Manhattan aumentou e simultaneamente foram estabelecidos outros assentamentos em Bronx, Brooklyn, Queens e Staten Island. Em 1664 foi entregue temporariamente aos ingleses pelo então governador Peter Stuyvesant e definitivamente, em 1674, pelo tratado de Westminster. A cidade cresceu devido à atividade comercial marítima e fluvial que então se estabeleceu. Já batizada de Nova Iorque, desempenhou um papel importante no desenrolar dos factos que deram origem à Revolução Americana, que teve lugar entre 1776 e 1783. Este conflito levou à independência das treze colónias britânicas que, com o apoio dos franceses e espanhóis, deram origem aos Estados Unidos da América. Durante a guerra dos sete anos, a cidade foi devastada pelos incêndios e em 1789 George Washington foi nomeado primeiro presidente do país. No final do século XIX a sua população cresceu com a chegada dos emigrantes europeus e chineses, sobretudo durante o período de reconstrução, de construção de pontes e do complexo sistema de transportes subterrâneos que unia os cinco distritos que então foram criados. Antes e depois da Segunda Grande Guerra imigrantes negros vindos do Sul e emigrantes de diversos países da América Latina aumentaram o quantitativo populacional da cidade, que desfruta deste estatuto desde 1963 com um governo centralizado.
Entre os edifícios religiosos destacamos a Catedral de Saint Patrick e a Catedral de Saint James, ambas do século XIX. No entanto, o monumento histórico mais importante é a Estátua da Liberdade, datada de 1886 e situada em Liberty Island. Em Elis Island destacamos o complexo que, desde 1892 a 1954, constituiu a Central de Emigração. É de sublinhar ainda a grande Central Terminal de Caminho de Ferro, do início do século XIX, e o Complexo das Nações Unidas, situado em Midtown Manhattan.

Aspetos Turísticos e Curiosidades
Com exceção da área de Manhattan, situada a sul da Rua 14, que apresenta um traçado irregular (City Hall Plaza e Greenwich Village), o resto da cidade possui uma planta ortogonal. Em Brooklyn distingue-se o elegante bairro de Brooklyn Heights, o Sheepshead Bay, de classe média e o setor mais pobre da Brownsville. O distrito do Bronx também apresenta contrastes com uma área de destruição a sul e uma outra localizada a oeste, com grandes e luxuosas casas e apartamentos em Riverdale. Em Manhattan destacam-se pela sua grandiosidade os edifícios do Chrysler (1930), Woolworth (1915), Empire State (1930), os edifícios que formam o Rockefeller Center (1977), a Mansão Gracie (final do século XVIII) e o City Hall (do século XIX).
Os museus são muitos e variados mas os mais relevantes correspondem ao Museu Metropolitano de Arte, o Museu de Arte Moderna, o Solomon R. Guggenheim, o Museu de Whitney de Arte Americana, de História Natural, o Museu Nacional de Índios Americanos, entre outros.
O centro de distrito teatral é Times Square, com mais de trinta teatros e o Centro Lincoln das Artes Cénicas situa-se a sudoeste de Central Park que, por sua vez, corresponde a um amplo espaço verde localizado em Manhatan. No referido centro situam-se a Metropolitan Opera House, a Avery Fisher Hall - sede da Filarmónica de Nova Iorque e o Teatro do Estado de Nova Iorque, onde atuam a Companhia de Ballet e a Ópera.

Economia
Esta importante cidade dos EUA é centro financeiro, comercial, industrial e turístico. Centro de transportes rodoviários, ferroviários, fluviais e aéreos, contando com dois aeroportos em Queens (La Guardia e John F. Kennedy). O centro financeiro, localizado em Wall Street e Broad Street inclui, entre outras instituições bancárias e financeiras relevantes, o banco de Reserva Federal Nacional. É a partir dos escritórios de Nova Iorque que grande parte do mercado interno e internacional é controlado.
É líder no setor do vestuário, imprensa e alimentar. Possui também indústrias de publicidade, madeira, papel, maquinaria, química, têxtil e de artigos em metal. No entanto, em virtude da carestia da mão de obra este setor económico está em declínio. Na cidade existem ainda importantes editoras e companhias de comunicações.
Como referenciar: Nova Iorque in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-20 19:03:37]. Disponível na Internet: